terça-feira, 12 de março de 2013

Crítica: Branca de Neve / Blancanieves (2012)



*6.5/10*

2012 trouxe-nos muitas adaptações do clássico Branca de Neve, mas foi Espanha que nos ofereceu a mais original e visualmente fascinante. Realizado por Pablo Berger, Blancanieves (ou Branca de Neve, em português) foi o candidato espanhol ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro e, apesar de não ter constado entre os cinco nomeados, merece visualização.

De marcado carácter gótico, a longa-metragem passa-se nos anos 20, numa Espanha tradicional. A protagonista é Carmen, uma bela jovem com uma infância atormentada pela sua terrível madrasta Encarna. Ao fugir do passado, Carmen entra numa apaixonante viagem acompanhada por novos amigos: seis anões toureiros.


O argumento podia ir mais longe em termos de originalidade, mesmo sabendo que estamos perante uma adaptação. A certa altura uma espécie de tédio desce sobre a plateia e nem o (pouco) inesperado final, o consegue afastar. Ainda assim, os elementos tradicionais do país vizinho - a tourada e o flamenco - estão bem marcados desde o primeiro momento. O pai toureiro e a mãe dançarina de flamenco resultam numa interessante fusão das duas artes que Carmen corporiza.

Seguindo o clássico, a madrasta Encarna é verdadeiramente maldosa  mesmo que o filme tenha tendência a ridicularizá-la em certos momentos, e a maçã não poderia faltar. Os anões - ainda que toureiros - estão lá, mas apenas seis, facto que nem mesmo eles parecem perceber por que motivo acontece.

Tecnicamente, e ao contrário do que anunciava O Artista, em 2011 (desculpem reacender a antiga desilusão), Blancanieves é o verdadeiro filme mudo e filmado a preto e branco, mais propriamente em película de 16 mm, e no formato 1.33 : 1 (o típico ecrã quadrado). Um assombro visual, com uma fotografia belíssima, a cargo de Kiko de la Rica, que deve ser desfrutada em pleno, esquecendo o argumento pouco marcante. Alfonso de Vilallonga compôs a música que acompanha toda a película e cuja importância é reforçada pelo facto de Blancanieves ser mudo. O resultado é competente, com uma banda sonora forte e emotiva, consoante a situação, e cheia de referências culturais, onde, uma vez mais, o flamenco tem o seu devido espaço.


Os actores cumprem bem o seu papel, com especial destaque para a madrasta interpretada por Maribel Verdú, na pele de uma personagem verdadeiramente odiável. Daniel Giménez Cacho, como o toureiro e pai de Carmen, Antonio Villalta, faz igualmente um bom trabalho. No que toca à protagonista, as actrizes Macarena García (Carmen adulta) e Sofía Oria (Carmen criança) têm um desempenho competente, com especial destaque para a jovem Oria.

Blancanieves poderia ser muito mais mais, é verdade, mas o que perde com o argumento conquista com a eficácia e beleza técnicas que demonstra.

7 comentários:

Turista e Artista disse...

Já tinha ouvido falar deste filme quando passou pelo festival (mostra) de cinema espanhol "Cinefiesta" mas ainda não o vi... Parece visualmente muito bom =)!!

Inês Moreira Santos disse...

O filme é mesmo muito bom visualmente. :)

Cumprimentos cinéfilos.

Pedro Tavares disse...

O mais interessante do filme é como ele não se configura como releitura, adaptação ou qualquer coisa do tipo. Branca de Neve é mais norte para lamentação que qualquer outra coisa.

Até!
http://www.cinemaorama.com

intratecal disse...

Gostei muito desse, principalmente pelas escolhas técnicas, claro. Ma particularmente, ele não me pareceu lento em nenhum momento... sempre tinha algo interessante acontecendo, nem que fosse só a trilha sonora.

Algo me diz que sem o sucesso de O Artista um filme como Blancanieves não seria possível hoje em dia!

Abraços!

Unknown disse...

O filme BRANCA DE NEVE é uma obra-prima. Embora a inspiração seja um dos contos de fadas mais conhecidos de todos os tempos, é extremamente original, ousado e calcado no que há de melhor na existência do cinema até hoje. Existem filmes que não são feitos para serem um sucesso em determinado ano, mas para serem lembrados durante a eternidade.

Laísa Alves disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Laísa Alves disse...

Queria muito assistir esse filme mas não consigo achar. Alguém tem um link para assistir ou baixar?