sexta-feira, 8 de março de 2013

Crítica: Efeitos Secundários / Side Effects (2013)

"Depression is the inability to construct a future."
Dr. Jonathan Banks
*8/10*
Steven Soderbergh diz-nos que Efeitos Secundário será o seu último projecto cinematográfico mas nós preferimos não acreditar, principalmente depois de assistir a esta longa-metragem. Sempre fiel a si, o realizador traz-nos um thriller original, que prende todas as atenções da plateia até ao último minuto.

Não somente os medicamentos têm Efeitos Secundários, estes podem igualmente aplicar-se a outras situações da vida. E são eles o centro do novo filme do realizador norte-americano, que promete perturbar e surpreender. O elenco é competente, com quatro nomes sonantes: Rooney Mara, Jude Law, Channing Tatum e Catherine Zeta-Jones.

Emily (Rooney Mara) e Martin Taylor (Channing Tatum) são um casal jovem, saudável e bonito, que tem uma vida bem sucedida, com uma mansão e todos os luxos que o dinheiro pode comprar, até Martin ser preso. Quatro anos mais tarde, Emily aguarda a sua libertação num pequeno apartamento na zona norte de Manhattan, mas esta revela-se tão devastadora quanto a sua encarceração e a jovem entra em profunda depressão. Depois de uma tentativa de suicídio falhada, o psiquiatra Jonathan Banks (Jude Law) é chamado para consultar o caso de Emily. Para não ser hospitalizada, ela concorda em ter consultas com o psiquiatra e iniciar um tratamento à base de antidepressivos, uma decisão que pode mudar a vida de todos os envolvidos.
O ponto de partida é extremamente apelativo, e o argumento é bem sustentado e construído até ao fim. Seremos levados no balanço de toda a narrativa de Efeitos Secundários e nunca esperaríamos um twist tão surpreendente e inesperado, que deixará qualquer um boquiaberto. O que parece um filme sobre a indústria farmacêutica, psiquiatras, medicamentos e possíveis efeitos secundários, revela-se muito mais do que isso, numa enorme teia de conspiração. O realizador “troca-nos as voltas” e de forma muito competente.

3 comentários:

O Narrador Subjectivo disse...

Isto parece um bocado o Soderbergh de Sex, Lies & Videotape e The Limey, que é o melhor Soderbergh :)

Inês Moreira Santos disse...

Recomendo muito, Narrador. Gostei bastante. :)

Cumprimentos cinéfilos.

Gonçalo Magalhães Ferreira disse...

O Filme está excelente, sem dúvida um final inesperado, todas as peças muito bem montadas e o final deixa-nos vontade de quer saber mais sobre as personagens tal é a forma como somos absorvidos pela história!
8,5/10