Hoje vi(vi) um filme: IndieLisboa'13: Novíssimos

sexta-feira, 26 de abril de 2013

IndieLisboa'13: Novíssimos

Os novo talentos portugueses passam pelo IndieLisboa na Novíssimos. O Hoje Vi(vi) um Filme assistiu a uma das sessões desta secção e aqui fica o rescaldo.

MEMORIES FROM THE CROSS - 8/10
Vítor Carvalho trouxe uma boa surpresa à secção Novíssimos. Memories from the Cross é um documentário que apresenta memórias de vários ex-alunos residentes do Holy Cross Campus. É através destes testemunhos que podemos construir a identidade do lugar, mesmo quando, na realidade, ele enfrenta a sua destruição.

Testemunhos positivos e negativos, boas, más e péssimas experiências dos antigos alunos deste colégio são encaixadas de forma perfeita e, por vezes, perturbadora, com as imagens actuais de um local abandonado, degradado e condenado à destruição. Para uns, é doloroso recordar um lugar onde sofreram, para outros o local é sinónimo de recordações felizes. Vítor Carvalho faz-nos, a partir destas memórias, construir a nossa própria imagem da antiga escola.

ADOLFO, O RAPAZ GALINHA - 7.5/10
João Carrilho trouxe-nos uma curta-metragem animada com Adolfo, O Rapaz Galinha, uma história com tanto de divertido como de macabro. Adolfo é um rapaz que rouba galinhas para fazer experiências maléficas na sua cave. Ele tem um plano: transformar todas as pessoas em galinhas e, assim, dominar o mundo. Contudo algo corre mal e Adolfo acaba por ser vítima da sua perversidade.

A animação em stop motion e a preto e branco, é acompanhada por uma narração em verso. Uma história original de um rapaz obcecado por galinhas com uma conclusão surpreendente.

DE MANHÃ - 7/10
A estreia de Flávio Gonçalves na realização é a curta-metragem De Manhã. Às primeiras horas de uma manhã, Tiago regressa a casa, mas não vem sozinho - consigo vem um estranho, ainda embriagado depois de uma noite de descoberta dos bares da cidade que visita. Tem um avião daí a poucas horas.

Com uma temática pouco comum entre as curtas do IndieLisboa, De Manhã é uma aposta corajosa e pertinente sobre a descoberta da homossexualidade. Nota-se uma sensibilidade pouco comum nos filmes do género, que vem conferir a esta curta-metragem uma aura especial.

ADEUS SR. ANTÓNIO - 6.5/10
Também estreante na realização é João Costa, que apresentou Adeus, Sr. António. A curta-metragem filmada em Super 8, tem por base um texto de Fernando Pessoa - Carta da Corcunda ao Serralheiro, do heterónimo feminino do poeta, Maria José.

A carta é-nos lida com a intensidade perfeita por uma voz feminina - Maria José (interpretada por Sandrine Cordeiro) -, acompanhada por imagens de uma casa, muito provavelmente a sua. O texto escolhido é o ponto forte desta curta-metragem, deixando a plateia presa ao ecrã.

SOULLEIMANE - 5/10
Paulo Pancadas trouxe ao Novíssimos Soulleimane, que conta a história do protagonista que dá nome à curta-metragem. Ele é um imigrante ilegal que procura uma solução para o seu problema, e é aí que conhece Teresa.

É do encontro entre estas duas personagens que reside o teor mais emocional deste trabalho. Apesar de tudo, sente-se que falta algo à história para a fazer valer.

DE VOLTA ÀS RAÍZES - 3/10
Gonçalo Cardeira tem a sua estreia com o documentário De Volta às Raízes. Um conflito de territórios entre o Homem e a Natureza, em que este se apodera de pedaços de terra para erguer os seus espaços é o que serve de mote à curta-metragem. Contudo, quando o ser humano deixa de preservar o seu espaço ocupado, a Natureza regressa com todas as suas forças, para retomar um território que nunca deixou de ser seu, criando, lentamente, ruínas humanas.

O propósito parece interessante, mas De Volta às Raízes não transmite a mensagem que pretende. Às imagens de uma casa a ser construída seguem-se as do abandono que faz a Natureza voltar. À concretização falta a sensibilidade que a ideia pede, e que não existe neste trabalho.

Sem comentários: