Hoje vi(vi) um filme: Crítica: A Rapariga Dinamarquesa / The Danish Girl (2015)

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Crítica: A Rapariga Dinamarquesa / The Danish Girl (2015)

*5.5/10*

A Rapariga Dinamarquesa traz novamente para a ribalta o oscarizado Eddie Redmayne, que brilha, acompanhado por Alicia Vikander, um talento em ascensão. Tom Hooper não se esforça muito na realização e, no final, sentimos que, sem os actores nem valeria a pena assistir ao filme.


A história de amor verídica do artista dinamarquês Einar Wegener (Redmayne) e da sua esposa, a pintora Gerda Gottlieb (Alicia Vikander), numa viagem pioneira para se tornar uma mulher, nos anos 20 do século XX. Wegener viajou para a Alemanha em 1930 para se submeter a uma cirurgia em fase experimental.

Trazer para o cinema a história daquela que se pensa ser a primeira operação de mudança de sexo de sempre é, logo à partida, muito desafiante, mais ainda quando se sabe que é Redmayne que assume as rédeas da personagem transgénero.


Na primeira metade do filme há fluidez no desenrolar da personalidade de Einar, na construção da sua identidade como Lili e na relação com Gerda, mas este ritmo inicial cativante perde-se e toda a narrativa se torna atabalhoada, fugindo à veracidade do caso que relata. Mesmo tratando-se de ficção, há pressa em concluir o filme, alguns clichés tornam-se inevitáveis, bem como a previsibilidade da acção.

Ora, em contraste com o fraco trabalho de realização e de argumento estão as interpretações. Redmayne e Vikander entregam-se aos personagens sem medo nem pudor, com uma intimidade comovente. Os gestos, o olhar, os movimentos e a sensibilidade nas palavras, o sofrimento enclausurado que quer sair para sempre, custe o que custar. Enquanto Einar ou Lili, o protagonista sofre, experimenta, sabe que tem o corpo errado e, a cada pequena mudança, mais mulher se sente. Por seu lado, Gerda, companheira de todos os momentos, efectivamente a responsável pela tomada de consciência da sexualidade do marido, sofre com ele e por ele. Vê-se obrigada a abdicar do amor da sua vida pela felicidade dele - haverá maior prova de amor?


A história de Gerda e Lili merecia muito mais, mas apenas os actores deram tudo de si. O realizador deixou-se levar por eles e pouco ou nada mais fez, para além de observar e filmar sem grande empenho as suas interpretações arrebatadoras.

Sem comentários: