Hoje vi(vi) um filme: Crítica: Quarto / Room (2015)

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Crítica: Quarto / Room (2015)

"When I was small, I only knew small things. But now I'm five, I know everything!"
Jack
*5/10*

Querem arruinar uma boa história? Quarto ensina-vos como. Nos cativantes primeiros 50 minutos, a longa-metragem esgota totalmente a ideia que tinha ainda muito por explorar e transforma-se em mais um filme sentimental, a chamar pela lágrima fácil.

São conhecidos alguns casos verídicos muito semelhantes ao de Quarto. Jovens raptadas anos a fio e escondidas em divisões desconhecidas da casa do agressor, que aparentemente leva uma vida normal. Muitos anos depois, uma desconfiança de vizinhos leva à libertação das vítimas que, em alguns dos casos, deram à luz, nesse período de reclusão, filhos do raptor.

Quarto conta uma história semelhante. Jack tem cinco anos e vive com Ma, a sua mãe. Ma dedica-se a manter Jack feliz e seguro, alimentando-o, dando-lhe calor e amor e fazendo coisas normais como jogar jogos e contar histórias. No entanto, as suas vidas estão confinadas a um pequeno quarto sem janelas - apenas uma clarabóia - onde Ma criou todo um universo para garantir que, mesmo neste ambiente reduzido, Jack é capaz de viver uma vida completa e gratificante. Contudo, à medida que a curiosidade da criança cresce e a resiliência da mãe atinge um ponto de ruptura, os dois elaboram um arriscado plano de fuga que, em última análise, os vai colocar perante algo que pode vir a ser ainda mais assustador: o mundo real.


A premissa é um autêntico catalisador de atenções. A ideia de poder filmar do ponto de vista das vítimas - apenas e só - faz-nos considerar as imensas possibilidades que o realizador, Lenny Abrahamson, tem à disposição. E, afinal, utiliza-as com competência enquanto a acção se resume ao espaço fechado do quarto. A câmara irrequieta é como o nosso olhar de "mosca", a descobrir o pequeno mundo de Jack. O medo de Ma - e de Jack também -, as tentativas desesperadas de elaborar um plano de fuga eficaz, as histórias fantasiosas com que tenta justificar ao filho as perguntas difíceis, tudo está bem espelhado nas opções do realizador.

Contudo, quando a porta do mundo real se abre, Quarto perde toda a identidade que tinha até então e entra apenas e só no drama familiar e a adaptação - ou readaptação, para Ma - à realidade. De repente, um turbilhão de clichés toma conta do ecrã e, a redenção só chegará no final. Ao mesmo tempo, a narração do protagonista, que surge de tempos a tempos desde o início do filme, revela-se uma má opção, desnecessária. Nem tudo precisa ser dito por palavras.


Nas interpretações, Brie Larson está competente na sua personagem trágica, mas é o pequeno Jacob Tremblay que brilha verdadeiramente, numa interpretação realista, cheia de coragem, medos e muita curiosidade sobre tudo o que o rodeia - dentro e fora do quarto. A inocência da idade funde-se com a da personagem, mas, como actor, Jacob demonstra uma maturidade imensa.

Quarto quer ser demasiado e começa em alta, para se traduzir num filme mediano e quase uma desilusão. A doçura de Jack é, provavelmente, o seu ponto mais forte. Fica por satisfazer a vontade de ver explorado, até à exaustão, o quotidiano dos dois no pequeno cubículo onde a criança cresceu, e a intimidade entre mãe e filho, em tais circunstâncias. Talvez outro cineasta tenha um dia coragem para filmar algo semelhante..

Sem comentários: