Hoje vi(vi) um filme: Crítica: O Livro da Selva / The Jungle Book (2016)

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Crítica: O Livro da Selva / The Jungle Book (2016)

"Well, let me remind you. A man-cub becomes a man, and man is forbidden!"
Shere Khan


*7/10*

A história de Mogli regressa ao grande ecrã com um protagonista de carne e osso. Jon Favreau mostrou-se à altura do desafio e traz ao público O Livro da Selva com muita acção, aventura e amor, para toda a família.

Baseado no clássico de Rudyard Kipling, o novo O Livro da Selva em imagem real conta a história de Mogli, uma criança que foi criada por uma família de lobos. No entanto, Mogli percebe que já não é bem-vindo na selva quando um tigre, Shere Khan, que carrega cicatrizes feitas pelo Homem, promete eliminar tudo o que lhe pareça uma ameaça. Convidado a abandonar a única casa que conheceu, Mogli embarca numa viagem de auto-descoberta, guiado pela pantera que se tornou seu mentor, Bagheera, e pelo urso com espírito livre, Balu.


Um argumento já muito conhecido mas bem transportado para o grande ecrã faz da versão de Jon Favreau uma boa experiência para crianças e adultos. Os efeitos especiais de animais e natureza estão bem executados, especialmente no que toca à interacção do protagonista com os animais. A experiência Imax 3D é interessante mas não fundamental para desfrutar do filme.

A câmara irrequieta coloca-nos no meio da selva e conduz-nos na aventura ao lado das personagens. Entre todo o visual digital, o trabalho do realizador sobressai e adensa as emoções e o suspense - para o qual também o bom trabalho de som contribui.

O protagonista Neel Sethi, encarna bem a essência da personagem e é fisicamente muito semelhante à imagem que todos criamos de Mogli. Apesar de muito jovem e de ter ainda muito a aprender, o actor cria rapidamente empatia com a plateia, desde o início, junto da sua família na alcateia, como à medida que explora a selva e vai crescendo e conhecendo o seu passado.


Nas vozes da versão original (a que assisti), destaque para o Bagheera Ben Kingsley, um excelente mentor, sempre; Bill Murray como Balu, divertido, um tanto matreiro, mas muito protector; Idris Elba na pele do vilão, o tigre Shere KhanChristopher Walken hilariante como rei LouieLupita Nyong'o como a maternal loba Raksha; e sem esquecer, claro, a sedutora e quase hipnotizante Kaa, na voz quente de Scarlett Johansson.

Não sendo um filme indispensável, O Livro da Selva, de Jon Favreau, respeita os valores da Disney. É um filme envolvente, repleto de mensagens positivas e visualmente estimulante, para todas as idades.

Sem comentários: