quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Crítica: Tudo sobre a minha Mãe / Todo sobre mi madre (1999)

"Ficámos mais autênticas quanto mais nos parecemos com aquilo que sonhamos que somos."
Agrado

*10/10*
Um elogio às mulheres, às actrizes, às mães, às mulheres que querem ser mães, Tudo sobre a minha Mãe é sobre e dedicado a elas. Pedro Almodóvar prova, a cada filme, o seu amor e admiração pelo sexo feminino, e este não é excepção.

A crueza com que a história se desenvolve contrasta com o afecto que paira no ar e com as cores e padrões garridos e alegres que decoram as imagens. Almodóvar tem aqui provavelmente um dos seus melhores trabalhos, sem medo nem pudor de abordar temas sensíveis como a prostituição, a SIDA, o travestismo ou a doação de órgãos.

Estebán passou 17 anos obcecado em saber quem era o seu pai, mas a mãe, Manuela, nunca lho quis revelar. Quando o jovem sofre um trágico acidente, Manuela sente finalmente a necessidade de procurar o pai do seu filho. É este o ponto de partida para a história desta enfermeira e dos que com ela se cruzam. Ao partir para Barcelona, ela regressa a um passado que deixou para trás e do qual nunca se despediu. Reencontra a sua amiga Agrado, conhece a Irmã Rosa e os seus pais, e vê Lola regressar à sua vida, ela que une estas três mulheres. Ao mesmo tempo, aproxima-se de duas actrizes - Huma e Nina - numa espécie de ligação que continua a querer manter com o seu filho.


Tudo sobre a minha Mãe é irónico desde o início, mas nunca grosseiro, sendo, ao mesmo tempo, absolutamente sentimental e emotivo. As quatro mulheres centrais da história vão enternecer-nos. Agrado com a sua excentricidade, os seus esforços para ser bonita, sensual e autêntica, a sua mudança de vida, tudo porque, como a mesma diz, "ficámos mais autênticas quanto mais nos parecemos com aquilo que sonhamos que somos". Numa corajosa interpretação de Antonia San Juan, Agrado será uma das nossas personagens favoritas - divertida e sensível. Inocente e uma vítima de Tudo sobre a minha Mãe é a Irmã Rosa, que encontra em Manuela o carinho que não recebe em casa - com um pai doente e uma mãe incapaz de lidar com ela, sem qualquer instinto maternal. Rosa e Manuela partilham uma história em comum, e é-nos impossível não criar empatia com a jovem frágil e bondosa, interpretada por Penélope Cruz.

Por seu lado, Huma surge como uma homenagem às actrizes, entregue ao seu papel, mas também ao amor pela jovem toxicodependente Nina, que não retribui o sentimento da mesma forma. Marisa Paredes é fenomenal a vestir a pele desta mulher magoada e inconsolável, que Estebán muito admirava. Mas a grande mulher de Tudo sobre a minha Mãe é mesmo Manuela, corajosa em todos os momentos, sensível, apaixonada pelo filho e pela representação. Ela ama as suas amigas e demonstra ser a mãe que os outros precisam e é mãe pelas que não o sabem ser. Manuela revela-nos inúmeras facetas: a enfermeira ligada à doação de órgãos, a mãe protectora mas que prefere mentir a contar a verdade ao seu filho, a mulher que partilha o passado com travestis, a actriz amadora que ambiciona voltar aos palcos, a amiga para todos os momentos. Cecilia Roth tem aqui o papel de uma vida, uma interpretação avassaladora, que nos levará às lágrimas pela dureza da vida da sua personagem, e pela força que a actriz lhe injecta.


Tudo sobre a minha Mãe faz-nos mergulhar numa história de dor, mas, acima de tudo, de esperança. Pedro Almodóvar conquista-nos mais ainda com planos intimistas, que nos colocam no cenário da longa-metragem, e embala-nos com uma banda sonora forte e trágica, de Alberto Iglesias. O realizador e argumentista coloca, logo ao início, uma referência ao clássico All About Eve - filme que Manuela assiste com o filho Estebán - que parece servir de inspiração ao título da longa-metragem - em inglês All About my Mother. Almodóvar relembra-nos ainda Bette Davis, Gena Rowlands e Romy Schneider, a quem também dedica o seu filme.

Pedro Almodóvar conta-nos tudo sobre mães, sobre actrizes, sobre homens que querem ser mulheres, sobre tragédia e esperança, sobre vida e morte. Tudo sobre a minha Mãe é a homenagem que qualquer mulher gostaria de receber, e aqui está ela.

2 comentários:

ajanelaencantada disse...

Uma análise que é ela própria uma homenagem, a um filme belíssimo. Fiquei com vontade de o rever.

Inês Moreira Santos disse...

Muito obrigada, José.
É um filme verdadeiramente belo e profundo.

Cumprimentos cinéfilos.