sexta-feira, 23 de outubro de 2020

Doclisboa'20: Nheengatu - A Língua da Amazónia (2020), de José Barahona

*8/10*

Nheengatu - A Língua da Amazónia foi o Filme de Abertura do Doclisboa 2020 e leva-nos numa viagem com José Barahona e a sua equipa, em busca de culturas que tendem a desaparecer. 

"Ao longo de uma viagem no alto Rio Negro, na Amazónia profunda, o realizador busca uma língua imposta aos índios pelos antigos colonizadores. Através desta língua misturada, o nheengatu, e dividindo a filmagem com a população local, o filme constrói-se no encontro de dois mundos."

Nheengatu - A Língua da Amazónia é o registo contra o esquecimento, contra o apagamento de tradições e rituais a que o Mundo tem assistido. Ao mesmo tempo, é também o diário de bordo do realizador, que relata os seus dias no barco, de tribo em tribo, do Brasil à fronteira com a Venezuela e Colômbia, cuja bússola segue a direcção de uma língua comum, por entre paisagens de uma beleza quase inimaginável.

A equipa de filmagens vem levantar a bandeira da desconfiança junto de quase todos os povos, mas a curiosidade fala mais alto - e essa é notória de ambas as partes. Mas, à medida que a interação acontece, as conversas fluem e, em muitos casos, o escudo da língua desconhecida para os homens brancos vem deixar os indígenas mais libertos para dizer o que pensam ou comentar os comportamentos dos visitantes. Curiosamente, o realizador não deixa também de revelar que estes depoimentos e filmagens tiveram um custo, e as negociações nem sempre terão sido fáceis.

Se o colonialismo impôs uma língua comum a estes povos, as suas consequências na desenraização de costumes e tradições são ainda bem notórias. O culto religioso - que parece ter crescido com força em tantas das tribos visitadas por Barahona - tolheu a cultura e veio proibir alguns rituais.

As memórias não são felizes mas a "contaminação" do colono europeu ficou marcada em muito mais do que nas histórias que as famílias contam. Dos índios que eram escravizados pelos brancos, aos vestígios arquitectónicos deixados pelos portugueses - muito deles agora em fusão com a Natureza, nos meandros da Amazónia -, mas também na miscigenação da língua e costumes, a intervenção dos brancos na forma de vida dos índios é inegável.

Por outro lado, o Governo brasileiro veio instalar a desesperança e o abandono. Eles sentem a mudança e referem como os tempos em que Lula da Silva esteve no poder foram muito bons para os índios. Agora temem que os brancos venham para as suas terras e haja morte.

E mesmo que a identidade moderna destes povos esteja muito longe daquilo que foi há mais de 500 anos, intocada pelos portugueses, há que defendê-la de todos as ameaças actuais. Felizmente, a equipa de Nheengatu - A Língua da Amazónia cruzou-se com uma tribo que mantém os rituais e todos se uniram para fazer parte da celebração - filmando uma alegria e harmonia que devemos preservar.

Porto/Post/Doc 2020: Spike Lee, Sam Pollard e muita música

O Porto/Post/Doc 2020 terá Spike Lee a abrir, Sam Pollard a fechar, e anunciou a programação do Transmission.

David Byrne's American Utopia, de Spike Lee

A Sessão de Abertura do festival contará com a estreia nacional de David Byrne's American Utopia, de Spike Lee, baseado no disco e concerto de David Byrne. A marcar o encerramento do Porto/Post/Doc 2020, estará a estreia de MLK/FBI, de Sam Pollard, que segue Martin Luther King Jr. enquanto este é alvo de uma investigação com laivos de perseguição pela instituição policial americana. 

Como fundador dos Talking Heads, a solo ou nas colaborações com que reinventa aquilo que faz, David Byrne cruza gerações, formatos e áreas artísticas. O filme de Spike Lee acompanha o espectáculo de apresentação do disco American Utopia na Broadway. Já MLK/FBI é um documentário que tenta abrir novas luzes sobre a forma como o FBI serviu de ferramenta para uma campanha do poder estabelecido contra as ideias e acções de Martin Luther King, enfraquecendo-o enquanto líder ao retratá-lo como adultero.

O programa Transmission será composto por "cinco filmes sobre a música e o seu impacto no mundo em redor": a crónica sobre os movimentos do Soundcloud Rap, em American Rapstar, de Justin Staple; o ritmo que marca as ruas de Baltimore, em Dark City: Beneath the Beat, de TT The Artist; os processos criativos dos referenciais KLF, em Welcome To The Dark Ages, de Paul Duanne; a ignição social e política levantada pelo movimento Rock Against Racism, em White Riot, de Rubika Shah; e a vida e obra de José Pinhal, em A Vida Dura Muito Pouco - Celebrando Obra de José Pinhal, de Dinis Leal Machado.

O Porto/Post/Doc regressa de 20 a 29 de Novembro. Mais informações podem ser consultadas em https://www.portopostdoc.com

PROGRAMA TRANSMISSION 

Competição

American Rapstar, Justin Staple, EUA, 2020, DOC, 79' (Estreia Nacional)

Dark City: Beneath the Beat, TT The Artist, EUA, 2019, DOC, 65' (Estreia Nacional)

Welcome To The Dark Ages, Paul Duanne, Irlanda, 2019, DOC, 83' (Estreia Nacional)

White Riot, Rubika Shah, Reino Unido, 2019, DOC, 80'

Extra-Competição

A Vida Dura Muito Pouco - Celebrando Obra de José Pinhal, Dinis Leal Machado, Portugal, 2020 , DOC, 23'


PROGRAMA HIGHLIGHTS

David Byrne's American Utopia, Spike Lee, EUA, 2020, DOC, 105' (Estreia Nacional)

MLK/FBI, Sam Pollard, EUA, 2020, DOC, 104' (Estreia Nacional)

quinta-feira, 22 de outubro de 2020

Estreias da Semana #440

Esta Quinta-feira, chegam aos cinemas portugueses sete novos filmes. Já nas plataformas de streaming encontramos mais seis estreias.

Ava (2020)

Ava (Jessica Chastain) trabalha para uma organização secreta e viaja pelo mundo assassinando alvos de grande importância. Quando uma missão corre mal, é forçada a lutar pela própria sobrevivência.

Bangla (2019)
Phaim (Phaim Bhuiyan), um jovem muçulmano italiano de segunda geração, vive em Torpignattara, nos subúrbios de Roma. Os pais de Phaim são oriundos do Bangladesh e muito apegados às tradições ancestrais do seu país. Segundo eles, Phaim terá de casar com uma mulher Bengali e respeitar a lei islâmica que qualifica o sexo antes do casamento como um grave pecado. Phaim entra em pânico e fica perdido entre as tradições familiares e a cultura italiana, quando se apaixona perdidamente por Asia, uma jovem italiana.

Bill & Ted Salvam o Universo (2020)
Bill & Ted Face the Music
Em todas as suas atribuladas viagens no tempo, nunca a dupla formada por Theodore "Ted" Logan (Keanu Reeves) e William "Bill" S. Preston (Alex Winter) teve tanto em jogo. Ainda com o seu destino como estrelas de rock and roll por cumprir, os dois amigos embarcam numa nova aventura quando uma visitante do futuro os avisa que só a música deles poderá salvar o universo tal como o conhecemos. Durante o caminho, vão ter a ajuda das filhas, de um novo conjunto de personagens históricas e de algumas lendas da música, na busca de uma canção que vai endireitar o mundo e trazer harmonia ao universo.

Doutor? (2019)
Docteur?
Na véspera de Natal, Serge é o único médico disponível para responder a emergências. Subitamente afectado por uma dor de costas incapacitante, Serge pede ajuda a Malek, um entregador de pizzas com quem se cruza. Malek assume o papel de médico ao domicílio enquanto Serge lhe vai dando indicações por telefone a partir do carro.

Listen (2020)
Nos arredores de Londres, Bela (Lúcia Moniz) e Jota (Ruben Garcia), um casal português com três filhos, luta para sobreviver. Quando surge um mal-entendido na escola envolvendo umas das crianças que é surda, os serviços sociais do Reino Unido intervêm e os dois pais vêem-se diante de uma batalha para manter a família unida.

O Capital no Século XXI (2019)
Le Capital au XXIe siècle
Baseado no livro do economista Thomas Piketty, O Capital no Século XXI propõe uma jornada pela riqueza e pelo poder, num documentário que desmonta o pressuposto de que a acumulação de capital acompanha o progresso social, lançando nova luz sobre as crescentes desigualdades.

Pendular (2017)
Pendular fala-nos do quotidiano de um casal após se instalarem num grande pavilhão abandonado. Dividem o espaço entre vida pessoal e profissional - ele artista plástico, ela bailarina contemporânea.

Netflix Portugal
Estreou a 21 Outubro:

Rebecca (2020)
Depois de um romance turbulento em Monte Carlo com o belo viúvo Maxim de Winter (Armie Hammer), a jovem recém-casada (Lily James) chega a Manderley, a imponente propriedade da família do seu novo marido, na costa inglesa varrida pelo vento. Ingénua e inexperiente, começa a habituar-se à sua nova vida, mas vê-se a lutar contra a sombra da primeira esposa de Maxim, a elegante e sofisticada Rebecca, cujo assustador legado é mantido vivo pela sombria governanta de Manderley, a Sra. Danvers (Kristin Scott Thomas). Realizado por Ben Wheatley, Rebecca é um thriller psicológico baseado no  romance gótico de Daphne du Maurier, publicado em 1938.

Estreia a 22 Outubro:

Cadáver (2020)
Kadaver
No rescaldo de um desastre nuclear, Leonora (Gitte Witt), Jacob (Thomas Gullestad) e a sua filha Alice (Tuva Olivia Remman) lutam pela sobrevivência perante a falta de comida. Certo dia, o hotel local convida os sobreviventes para uma peça de teatro, com refeição incluída, como parte de um esforço  para ajudar os mais necessitados. Sem escolha, a família decide aceitar a oferta. O director, Mathias (Thorbjørn Harr), informa que o palco se estende a todo o estabelecimento. Os espetadores recebem máscaras para os distinguir dos atores, mas a peça sofre uma reviravolta sinistra quando membros da audiência começam a desaparecer. O limiar entre a realidade e o teatro não tarda a tornar-se indistinto, até que Alice desaparece diante de Leo e Jacob, o que não deixa margem para dúvidas: algo muito errado se passa no hotel de Mathias.

Estreia a 23 Outubro:

Para Além da Lua (2020)
Over the Moon
Uma menina brilhante, determinada e apaixonada pela ciência constrói um foguetão para viajar até à lua e provar a existência de uma deusa lendária. Ao chegar, embarca numa aventura surpreendente e descobre um mundo habitado por criaturas fantásticas.

Amazon Prime Video

Estreia a 23 de Outubro:

Borat: Subsequent Moviefilm (2020)
Com o extenso título Borat Subsequent Moviefilm: Delivery of Prodigious Bribe to American Regime for Make Benefit Once Glorious Nation of Kazakhstan está é a sequela do falso documentário que acompanha Borat Sagdiyev, um jornalista fictício da televisão cazaque, numa viagem pelos Estados Unidos. De volta à América, Borat lança-se nos temas da atualidade: o novo vírus, o racismo, a violência policial e, claro, Donald Trump.

Apple TV+

Estreia a 23 de Outubro:

Bruce Springsteen's Letter to You (2020)
Bruce Springsteen's Letter to You mostra Bruce Springsteen durante a gravação do seu novo álbum Letter To You com a totalidade da E Street Band e inclui as versões finais de 10 novos temas. O documentário apresenta atuações da E Street Band, filmagens em estúdio, material inédito de arquivo e um olhar mais profundo sobre Letter To You pelo próprio Springsteen. Com argumento de Springsteen e realizado pelo seu colaborador frequente Thom Zimny, o filme é uma homenagem à E Street Band, à própria música rock e ao papel que ela desempenhou na vida de Springsteen.

On the Rocks (2020)
Uma jovem mãe nova-iorquina, diante de súbitas dúvidas sobre o seu casamento, junta-se ao seu pai, um excêntrico playboy, para juntos seguirem o seu marido. O que se segue é uma cómica aventura pela cidade que aproxima pai e filha, apesar dos constantes desvios no caminho. A realizadora Sofia Coppola traz um toque de luz a esta mistura de carta de amor exuberante a Nova Iorque, comédia de conflito de gerações sobre como vemos os relacionamentos de maneira diferente dos nossos pais, e bem humorada celebração dos complicados nós que unem as famílias modernas.

LEFFEST 2020 revela destaques da programação

O LEFFEST – Lisbon & Sintra Film Festival anunciou alguns dos destaques da programação da sua 14.ª edição. O evento acontece de 13 a 22 de Novembro. 2001 – Odisseia no Espaço, de Stanley Kubrick, é o ponto de partida para a edição de 2020 do festival.

A Selecção Oficial Em Competição conta com 10 títulos: Dear Comrades!, de Andrey KonchalovskiyEffacer L’Historique, de Benoît Delépine e Gustave KervernIn the Dusk, de Sharunas BartasMalmkrog, de Cristi PuiuOrphea, de Alexander Kluge e KhavnSportin’ Life, de Abel FerraraThe Best is yet to Come, de Jin Wang; The World to Come, de Mona FastvoldUn Soupçon d’Amour, de Paul Vecchiali; e Undine, de Christian Petzold.

Fora de Competição estão já confirmados títulos como Charlatan, de Agnieszka Holland; Falling, de Viggo Mortensen (apresentado pelo realizador); Kajillionaire, de Miranda JulyMainstream, de Gia CoppolaPassion Simple, de Danielle ArbidRifkin’s Festival, de Woody AllenSiberia, de Abel FerraraThe Human Voice, de Pedro AlmodóvarBeginning, de Dea KulumbegashviliNomadland, de Chloé Zhao (apresentado pela realizadora e por Francis McDormand, através de videoconferência); e There is No Evil, de Mohammad Rasoulof.

As Homenagens e Retrospectivas desta edição do LEFFEST visam a obra de Paul Thomas AndersonWong Kar-Wai e Clément Cogitore, e ainda haverá espaço para uma Homenagem à Cinemateca Francesa: As Escolhas de Frédéric Bonnaud.

O júri do festival será composto por Peter Handke, Prémio Nobel da Literatura em 2019; Frédéric Bonnaud, director da Cinemateca Francesa; Gabriel Abrantes, realizador; Neville Wakefield, curador de arte e escritor; e Cecilia Bengolea, bailarina, coreógrafa e artista visual.

O ciclo temático Os Olhares em Confronto, com curadoria de Alexey Artamonov, Denis Ruzaev e Ines Branco López, coloca diversas questões, através de um conjunto de filmes apresentados em sete sessões duplas.

O Simpósio As Artes e o Público no Mundo Pós-pandemia pretende levantar diversas questões sobre o futuro que nos aguarda após as mudanças profundas que a pandemia tem e continuará a causar nas artes e na cultura. Haverá ainda um segundo simpósio deste ano ganha forma ao comemorar o 25.º aniversário de Sintra como património mundial da UNESCO - Património e Sociedade. Princípios, pensamento e acção.

A rúbrica CINEMART estará de regresso a par de várias Sessões Especiais. Nos eventos, destaque para  Salvador Sobral, que apresentará o programa Noche de Ronda, com um concerto e exibição de dois filmes mexicanos: Os Esquecidos, de Luis Buñuel, e E a Tua Mãe Também, de Alfonso Cuarón. Já a Cerimónia de Entrega de Prémios LEFFEST 2020 será marcada por um concerto da Orquestra Municipal de Sintra - D. Fernando II.

De entre os convidados já conhecidos desta edição, destaque para os realizadores Paul Vecchiali e Christian Petzold, a realizadora Mona Fastvold, o actor Jean-Philippe Puymartin, a actriz Lilith Stangenberg, o realizador e actor Mathieu Amalric, entre outros a anunciar.


Mais informações sobre o Lisbon & Sintra Film Festival em https://www.leffest.com/.

quarta-feira, 21 de outubro de 2020

Doclisboa'20 - Sinais: 10 filmes a não perder

O primeiro momento do Doclisboa 2020 começa já amanha, 22 de Outubro, prolongando-se até 1 de Novembro, sob o tema Sinais. O Hoje Vi(vi) um Filme destaca alguns títulos que não deves perder na 18.ª edição do festival lisboeta.

Nheengatu - A Língua da Amazónia, de José Barahona

"Ao longo de uma viagem no alto Rio Negro, na Amazónia profunda, o realizador busca uma língua imposta aos índios pelos antigos colonizadores. Através desta língua misturada, o nheengatu, e dividindo a filmagem com a população local, o filme constrói-se no encontro de dois mundos."

22 OUT / 21h30 Culturgest

23 OUT / 15h00 - SESSÃO PARA ESCOLAS ABERTA AO PÚBLICO - Cinema São Jorge


Mon Amour, de David Teboul

"A história de um homem em viagem aos confins da Sibéria. Conheceu o amor há 10 anos, em Paris, mas perdeu-o. Poderá esta paisagem gelada e os seus habitantes devolver-lho? Vai pedir aos homens e mulheres que habitam nessas aldeias siberianas para lhe contarem a sua própria experiência do amor. São as pessoas que conhecem o desastre, o frio e o álcool. Aqueles que também dizem 'Meu amor'."

23 OUT / 21h00 Culturgest


Work or to Whom Does the World Belong (El trabajo o a quién le pertenece el mundo), de Elisa Cepedal

"Uma zona residencial volta a ser um campo de batalha nos confrontos entre grevistas e Polícia. Após o fracasso da última greve, os trabalhadores têm de escolher entre a acção e a apatia. O filme observa uma comunidade mineira pelo prisma da etnoficção enquanto esta negoceia o declínio da mesma indústria que permitiu o seu surgimento. Um longo período de desindustrialização que afecta a região inteira dá lugar a uma paisagem decadente de bocas de minas e aterros de entulho."

23 OUT / 19h00 Cinema São Jorge

30 OUT / 15h00 SESSÃO PARA ESCOLAS ABERTA AO PÚBLICO - Cinema São Jorge


É rocha e rio, Negro Leo, de Paula Gaitán

"Uma tarde com o músico, compositor, poeta, sociólogo e pensador Negro Leo. Ele expressa as suas ideias sobre o desenvolvimento da música bem como sobre a política brasileira e internacional, a ascensão das religiões neopentecostais e a sua obsessão pelas redes sociais, fazendo um paralelo com a sua própria vida."

24 OUT / 16h00 - Culturgest


Guerra, de José Oliveira e Marta Ramos

"A partir da rememoração de um professor de língua portuguesa na actualidade, vamos seguir Manuel, o seu pai, ex-combatente da guerra colonial, constantemente atormentado por essas lembranças. Iremos com ele até ao fundo dos lugares físicos que o obcecam – dos quartéis da formação até aos lagos e jardins da sua juventude e enamoramento – bem como ao abismo da sua memória – a guerra e a paixão juntas, indestrinçáveis, numa batalha que pergunta ou grita as imemoriais dúvidas existenciais."

24 OUT / 21h30 - Culturgest


Chelas Nha Kau, de Bataclan 150 e Bagabaga Studios

«“Dizes que Chelas é isto, dizes que Chelas é aquilo… Cala-te, estás a disparatar.” É com o ritmo e as rimas da sua música rap que os Bataclan 1950 nos deixam entrar no seu mundo. Mas o aviso foi feito: deixar os preconceitos à porta. Chelas nha kau (Chelas meu lugar) é um caleidoscópio de gravações feitas entre 2016 e 2019. Um filme que revela vários aspectos do que significa ser jovem num bairro de habitação social e nos deixa entrar no mundo de um grupo de amigos para quem “Chelas é a capital de Lisboa e Lisboa é a capital de Portugal”.»

25 OUT / 16h00 - Culturgest

26 OUT / 15h00 - SESSÃO PARA ESCOLAS ABERTA AO PÚBLICO - Cinema São Jorge


Kubrick by Kubrick, de Gregory Monro

"Nunca se poderá medir o legado de Stanley Kubrick ao cinema. Foi um gigante no seu campo e as suas extraordinárias produções assemelham-se a obras de arte cristalinas, estudadas tanto por alunos como por mestres, todos em busca de respostas por cuja relutância em dar o seu criador era famoso. Apesar de ser um dos cineastas mais analisados de sempre, era raro ter a oportunidade de ouvir o próprio a falar – até agora."

25 OUT / 19h00 - Culturgest


The Disrupted, de Sarah Colt

"O que têm em comum um fazendeiro no Kansas, um operário despedido no Ohio e uma motorista da Uber na Florida? São os três optimistas expeditos que se esforçam por se adaptar e prosperar apesar das forças desumanizantes em acção na economia americana. Ao encararem os entraves com coragem, alguns ideais permanecem sagrados para os heróis do filme: família, amor e manter-se forte perante a adversidade. Em última instância, The Disrupted revela uma experiência americana colectiva de desafio financeiro, resiliência familiar e a busca do propósito e da dignidade do trabalho."

27 OUT / 19h00 - Cinema São Jorge

28 OUT / 15h00 - SESSÃO PARA ESCOLAS ABERTA AO PÚBLICO - Cinema São Jorge


Love at First Sight (Erti nakhvit sheqvareba), de Rezo Esadze

"O amor à primeira vista, constante e não correspondido de um adolescente azeri por uma rapariga bielorrussa dois anos mais velha. O filme teve uma produção turbulenta e a versão final acabou interditada, não pelo seu tom por vezes excêntrico e suave erotismo, ou pela autoria de um argumentista caído em desgraça, mas pela desavença entre Essadze e um burocrata a propósito de uma cena secundária. Uma obra invulgar a redescobrir."

29 OUT / 15h30 - Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema


Underground, de Jeong-keun Kim

"Há muitas pessoas nas composições do metropolitano a correr sem fim de um lado para o outro no centro da cidade. Há pessoas que gerem este espaço condigno 'subterrâneo' quando toda a gente passa pelo subsolo para a vida 'em terra' de forma apressada. Sob o mundo ruidoso de hoje, aproximamo-nos delas, para ver como é a vida debaixo da terra."

29 OUT / 19h00 - Cinema São Jorge

Toda a informação sobre o Doclisboa 2020 em https://doclisboa.org/2020/.

Filmin Portugal: Sugestões para ver em Outubro

Outubro já vai longo, mas vamos sempre a tempo para sugestões de cinema em casa. Destacamos alguns novos títulos do catálogo da Filmin - plataforma VoD portuguesa de cinema independente -, que farão as delícias dos cinéfilos e não só.

Para que nunca te falte cinema em casa, eis algumas sugestões:

Varda por Agnès (Varda par Agnès), de Agnès Varda

"Na sua última longa-metragem , a realizadora presenteia-nos não com um adeus, mas sim com mais e novas descobertas. Não fosse ela Agnès Varda, a mulher que teimava viver a vida. Uma masterclass privada acerca do seu trabalho, instintos e intenções, uma obra para a mente que nos preenche por completo o coração."

Bostofrio (Bostofrio, où le ciel rejoint la terre), de Paulo Carneiro

"Tanto cineasta quanto detective, Paulo Carneiro viaja até à aldeia de Bostofrio em Trás-os-Montes para investigar o seu avô desconhecido. Conversa com os seus conterrâneos e perde-se num labirinto de histórias e silêncios, sem obter respostas diretas a uma pergunta simples : 'Quem era o meu avô?' Aclamado pela crítica, Bostofrio é uma viagem visual e profundamente pessoal, que orienta Paulo Carneiro no caminho de uma resolução íntima, mas também, inevitavelmente, rumo a uma reflexão quase antropológica sobre a sociedade portuguesa nas zonas rurais."

O Filme do Bruno Aleixo, de João Moreira e Pedro Santo

"Bruno Aleixo foi convidado a escrever um biopic sobre a sua própria vida. Carecendo de ideias, foi pedi-las aos amigos mais próximos. Reunidos num café, cada um sugere uma ideia diferente, mais ou menos biográfica."

Violette, de Martin Provost

"Um drama biográfico do realizador francês Martin Provost. Leduc encontra Simone de Beauvoir em Paris nos anos que precedem a Guerra. Nasce uma relação baseada na busca pela liberdade e pela escrita, por parte de Violette, e na convicção de Simone de ter nas mãos o destino de uma escritora fora do normal."

After, de Jenny Gage

"Um filme para jovens adultos, uma adaptação do primeiro volume do best-seller erótico escrito, em 2014, por Anna Todd. Aos 18 anos de idade, Tessa Young tem o mundo aos pés. Inteligente, gentil e cheia de sonhos, entra na faculdade já com o futuro delineado na sua cabeça. Mas tudo muda quando conhece Hardin Scott, um colega de curso cuja fama de rebeldia e insubordinação simultaneamente a atraem e intimidam."

Ruben Brandt, Coleccionador (Ruben Brandt, Collector), de Milorad Krstić

"Ruben Brandt, um famoso psicoterapeuta, é obrigado a roubar 13 quadros de museus prestigiados de todo o mundo e de colecções privadas para prevenir que sofra com terríveis pesadelos, resultantes de mensagens subliminares que recebeu em criança. Na companhia de quatro dos seus pacientes, ele e o seu grupo de ladrões atacam regularmente e com grande sucesso: o Museu do Louvre, o Tate, a Galleria degli Uffizi, o Hermitage, o Museu de Arte Moderna… O Coleccionador depressa se torna no criminoso mais procurado do mundo. Bandidos e caçadores de prémios perseguem-no mundo fora, enquanto a recompensa pela sua captura vai aumentando, aproximando-se de cem milhões de dólares. Um cartel de companhias de seguro encarrega Mike Kowalski, um detective privado e perito em roubos de obras de arte, de resolver o caso de O Coleccionador."

Honeyland - A Terra do Mel, de Ljubomir Stefanov, Tamara Kotevska

"Filme que tanto tem de sagrado como de humano, segue a última mulher de uma longa linhagem de apicultores selvagens. Indispensável retrato acerca da procura de um equilíbrio em vias de extinção." Lê aqui a crítica do Hoje Vi(vi) um Filme.

Anti-Porno (Antiporno), de Sion Sono

"Entre tons aguerridos e impetuosos desempenhos, uma experiência que nos arrasta para o mundo do faz-de-conta. O realizador Sion Sono propõe-nos uma obra arrebatadora, a partir de uma história que são várias histórias. Filme que celebra o excesso, deixando para trás ecos de um comentário à sociedade patriarcal."

O Êxtase da Rosa Negra (Kurobara Shôten), de Tatsumi Kumashiro

"Outro clássico do cinema erótico japonês, pela mão de Tatsumi Kumashiro, um dos mestres do Roman Porno, cuja carreira foi marcada pelas suas influências da Nouvelle Vague francesa. Autorreflexivo, obra que narra os dias de um realizador pornográfico narcisista face a uma paixão inesperada."

terça-feira, 20 de outubro de 2020

Netflix Portugal: Sugestões para ver em Outubro

A Netflix Portugal tem novas propostas para o público ao longo do mês de Outubro. Das séries e filmes que fazem parte do catálogo, às estreias, há muito para ver.

Eis algumas das estreias em destaque:

Bom Dia, Verónica - Temporada 1 - Estreou a 1 Outubro
"Verónica Torres é casada, mãe de dois filhos e funcionária da Delegacia de Homicídios de São Paulo, onde vive uma rotina burocrática, dentro do sistema. Um dia, testemunha um suicídio que reabre feridas no seu passado e, na mesma semana, recebe um telefonema anónimo em que ouve uma mulher desesperada a pedir ajuda. É então que Verónica decide pôr em prática as suas capacidades de investigação para tentar desvendar o caso da jovem que se suicidou, vítima de um esquema na internet, e o da mulher que vive oprimida pelo marido, um inteligente assassino em série. Com o avançar da investigação, Verónica enfrentará um mundo perverso que a colocará em perigo. Série baseada na obra homónima da criminologista Ilana Casoy e do escritor Raphael Montes."

Oktoberfest: Sangue e Cerveja (Oktoberfest 1900) Minissérie - Temporada 1 - Estreou a 1 de Outubro
"Uma jovem apaixona-se pelo filho de um pequeno cervejeiro. A relação é contestada pelo pai da rapariga, um mafioso rico que veio à cidade tentar forçar a entrada no círculo mais restrito das grandes dinastias cervejarias de Munique."

Emily in Paris - Temporada 1 - Estreou a 2 de Outubro
"Emily, uma ambiciosa executiva de marketing na casa dos vinte anos que vive em Chicago, consegue o seu emprego de sonho em Paris quando a empresa onde trabalha adquire uma agência francesa de marketing de luxo e ela é encarregada de revitalizar a estratégia para as redes sociais. A nova vida de Emily em Paris está repleta de aventuras hilariantes e desafios surpreendentes enquanto tenta conquistar os colegas, fazer amigos e viver novos romances."

A Maldição de Bly Manor (The Haunting of Bly Manor) - Temporada 1 - Estreou a 9 de Outubro
"O novo capítulo da antologia gira em torno da Mansão Bly e dos seus residentes, vivos e mortos. O enredo decorre na Inglaterra dos anos 80. Após a trágica morte de uma preceptora, Henry Wingrave (Henry Thomas) contrata uma jovem ama americana (Victoria Pedretti) para tomar conta dos sobrinhos órfãos (Amelie Bea Smith, Benjamin Evan Ainsworth) que vivem na Mansão Bly com o cozinheiro Owen (Rahul Kohli), a jardineira Jamie (Amelia Eve) e a governanta Mrs. Grose (T’Nia Miller). Mas nem tudo é o que parece na mansão, e séculos de segredos obscuros de amor e perda serão revelados. Na Mansão Bly, a morte não significa uma despedida."

Os 7 de Chicago (The Trial of the Chicago 7) - Filme - Estreou a 16 de Outubro
"Aquele que se queria um protesto pacífico na Convenção Nacional Democrata de 1968 transformou-se num confronto violento com a polícia e a Guarda Nacional. Os organizadores do protesto - que incluíam Abbie Hoffman, Jerry Rubin, Tom Hayden e Bobby Seale - foram acusados de conspiração para instigar um motim, e o julgamento que se seguiu foi dos mais tristemente célebres da história norte-americana."

Alguém Tem de Morrer (Alguien tiene que morir) - Minissérie - Temporada 1 - Estreou a 16 de Outubro
"Um jovem recebe um telefonema dos pais a solicitar o seu regresso a casa para conhecer a sua noiva. Para surpresa de todos, regressa do México à conservadora sociedade madrilena dos anos 50 acompanhado de Lázaro, um misterioso bailarino."

Star Trek: Discovery - Temporada 3 - Estreou a 16 de Outubro
"Dez anos antes de Kirk, Spock e da Enterprise, a USS Discovery descobre novos mundos e formas de vida, enquanto uma oficial da Starfleet tenta compreender tudo o que diz respeito a civilizações alienígenas."

Rebecca - Filme - Estreia a 21 de Outubro
"Depois de um romance turbulento em Monte Carlo com o belo viúvo Maxim de Winter (Armie Hammer), a jovem recém-casada (Lily James) chega a Manderley, a imponente propriedade da família do seu novo marido, na costa inglesa varrida pelo vento. Ingénua e inexperiente, começa a habituar-se à sua nova vida, mas vê-se a lutar contra a sombra da primeira esposa de Maxim, a elegante e sofisticada Rebecca, cujo assustador legado é mantido vivo pela sombria governanta de Manderley, a Sra. Danvers (Kristin Scott Thomas). Realizado por Ben Wheatley (High Rise, Free Fire), Rebecca é um thriller psicológico baseado no  romance gótico de Daphne du Maurier, publicado em 1938."

O Alienista (The Alienist) - Minissérie - Temporada 2 - Estreia a 22 de Outubro
"Uma série de assassinatos de jovem prostitutos tem lugar em Nova Iorque, no ano de 1896. Theodore Roosevelt (Brian Geraghty), o recém-nomeado comissário de polícia, convida o psicólogo criminal Laszlo Kreizler (Daniel Brühl) e o jornalista John Moore (Luke Evans) para levarem a cabo uma investigação secreta. São acompanhados na tarefa pela obstinada Sara Howard (Dakota Fanning), uma secretária  determinada tornar-se a primeira mulher detetive da cidade. Utilizando disciplinas emergentes como a psicologia e as primitivas técnicas de investigação forense, o grupo tenta encontrar um dos primeiros assassinos em série da cidade de Nova Iorque."

Bárbaros (Barbaren) - Temporada 1 - Estreia a 23 de Outubro
"No ano 9dC, tribos germânicas unem-se para enfrentar as quase invencíveis legiões romanas numa batalha lendária na floresta de Teutoburgo. O embate sangrento mudará a história da Europa. No seu centro, encontram-se três amigos de infância, ligados por um destino trágico, marcado por lealdade e traição, amor e ódio, que prova ser um teste dramático à sua amizade. A filha do príncipe Cherusco, Assimnelda (Jeanne Goursaud) e o guerreiro Folkwin (David Schütter) amam-se em segredo, enquanto os ocupantes romanos, sob o governador Varus (Gaetano Aronica), exigem tributos esmagadores das tribos germânicas, divididas por rivalidades antigas. Assimnelda e Folkwin decidem agir por conta própria e humilhar o império num ousado ato noturno. Para vingar a humilhação, o governador romano envia uma força punitiva liderada por Arminius (Laurence Rupp), o seu filho adoptivo. Mas o jovem oficial romano tem um segredo que o liga intimamente a Thennelda e Folkwin."

Gambito de Dama (The Queen's Gambit) Minissérie - Temporada 1 - Estreia a 23 de Outubro
"Baseada no romance de Walter Tevis, a minissérie dramática The Queen's Gambit explora o verdadeiro custo da genialidade através da história da jovem Beth Harmon (Anya Taylor-Joy). Abandonada ao cuidado de um orfanato no Kentucky em finais dos anos 1950, Beth descobre um surpreendente talento para o xadrez enquanto desenvolve um vício com origem nos tranquilizantes que lhe foram sendo administrados como sedativos. Assombrada pela dependência e pelos seus demónios pessoais, Beth transforma-se também num talento determinado a conquistar as fronteiras tradicionais do xadrez competitivo."

Hóspede Indesejado (His House) - Filme - Estreia a 30 de Outubro
"Após conseguir escapar do Sudão do Sul devastado pela guerra, um jovem casal de refugiados luta para se ajustar à nova vida numa pequena cidade inglesa, mas é atormentado por uma força sinistra relacionada com os terrores que deixaram para trás."

Crítica: La Llorona (2019), de Jayro Bustamante

*8/10*

Quando o cinema recorre à História de um país para aterrorizar a plateia, ressuscita fantasmas mal enterrados e estabelece a necessidade de confronto entre passado e presente, o resultado pode ser realmente especial. Em La Llorona, o realizador guatemalteco Jayro Bustamante reinventa a lenda  do folclore hispânico com o mesmo nome, fazendo-a tomar o corpo dos indígenas que choram pelos seus mortos e desaparecidos durante a guerra civil na Guatemala.

La Llorona exige a justiça que não foi feita, após mais de 30 anos de genocídio. O sobrenatural assume o papel de juiz, mas o júri do tribunal somos nós.

"Enrique Monteverde, um general acusado de genocídio na Guatemala, é absolvido em julgamento, deixando o povo revoltado. É então que o espírito de La Llorona surge vagueando entre os vivos, para concretizar a vingança que o julgamento não conseguiu fazer."

É curioso observar como, na Europa, pouco ou nada se ouve falar sobre a História da Guatemala e até de alguns outros países da América Latina. O Cinema é, contudo, a ferramenta ideal para descobrir mais. La Llorona abre-nos a porta para uma experiência de terror histórico, onde o sobrenatural e o realista se unem para contar a História.

Para além de um elogio aos guatemaltecos nativos, que foram mortos aos milhares - outros tantos dados como desaparecidos - ao longo de três décadas de guerra, o realizador Jayro Bustamante cria uma atmosfera onde a mítica Mulher que Chora é a encarnação da justiça e da culpa que não deixará de assombrar os militares assassinos.

Sonhos e alucinações que revelam a verdade aos cépticos ou fantasmas de carne e osso que surgem entre a neblina são alguns dos elementos de horror utilizados para criar um ambiente de desconfiança e medo. Se fora dos portões da casa do general, uma multidão enfurecida não arreda pé, não será dentro de quatro paredes que reinará a segurança.

Ainda de destacar, em La Llorona a figura feminina assume um papel central, quer na personagem que dá nome ao filme, mas igualmente nas mulheres que vivem com o general, cada uma delas com uma função bem definida ao longo do filme. A importância do elemento Água é outra das características mais marcantes da obra de Jayro Bustamante: as lágrimas da mulher que chora (e de todos aqueles que perderam os seus entes queridos no genocídio), o rio onde muitos foram mortos, a piscina da casa ou a água que inunda a casa de banho são alguns exemplos desta presença constante.

La Llorona é mais uma prova de como o Cinema pode ser uma forma de exorcizar o passado, usando o terror e o fantástico para tocar nas feridas por sarar, sentenciando pela Sétima Arte os criminosos que marcaram a História.