terça-feira, 18 de janeiro de 2022

Crítica: Identidade / Passing (2021)

"We're all passing for something or other, aren't we?"

Irene


*6.5/10*

Identidade (Passing) marca a estreia da actriz Rebecca Hall na realização e não deixou ninguém indiferente. O filme adapta ao cinema o romance de Nella Larson, de 1929, e aborda o racismo e a descriminação de um ponto de vista raras vezes abordado no cinema.

"Em Nova Iorque, nos anos 20, uma mulher negra vê o seu mundo virado do avesso quando se aproxima de uma amiga de infância que se faz passar por branca."

Um reencontro abala o mundo das duas mulheres. Para uma, a vida tranquila torna-se foco de tensões, para a outra, a mentira diária passa a ter um lugar de libertação e alegria. Irene admira e condena em igual medida o modo de vida de Clare, que se faz passar por branca há vários anos, para escapar ao preconceito da sociedade, contribuindo, ela própria, para o aumentar.


Passing é um filme de conflitos constantes, não apenas dentro da sociedade polarizada, mas igualmente no âmago de cada personagem. Quando se cruzam, Irene e Clare criam uma relação de admiração mútua, quase sensual. No entanto, há ciúmes envolvidos e uma certa apropriação, por parte de Clare, da vida de Irene.

Neste filme de contrastes, Rebecca Hall tem atenção ao detalhe e capta cada gesto e olhar com delicadeza, realçando o lado feminino da longa-metragem. A direcção de fotografia tira todo o partido do preto e branco e das perspetivas, que adensam o conflito interior das personagens e suas diferenças. A direcção artística e guarda-roupa fazem um trabalho soberbo ao transportar a acção para a década 20 do século passado, com a elegância e vivacidade que a caracterizam.


No elenco, as duas grandes mulheres têm desempenhos assombrosos, com Ruth Negga a sobressair por toda a excentricidade de Clare, saudosa das suas raízes, mas capaz de tudo - até mesmo de negar a sua origem e ostracizar os seus pares - para levar uma vida confortável. Tessa Thompson implode em emoções e revolta, na pele de Irene. Sofre em silêncio, desconfia do que a rodeia, mas também é capaz de revelar um ponta de inveja da amiga tão emancipada.

E nesta ambiguidade de sentimentos, emoções e decisões, Passing peca por usar demasiadas palavras para contar o que as imagens já mostram. Rebecca Hall tem uma estreia inspirada e faz brilhar as suas actrizes, ainda que a narrativa não seja tão fluida e subtil como as personagens.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2022

Algarve Film Week: De 18 a 23 de Janeiro em Loulé

A Algarve Film Week leva vários eventos de cinema a Loulé, de 18 a 23 de Janeiro. Desta iniciativa, fazem parte a Monstrare - 8.ª Mostra Internacional de Cinema Social, a cerimónia da 2.ª edição dos Prémios Cinetendinha e, como festival convidado, haverá um dia dedicado ao Caminhos do Cinema Português

Haverá sessões de curtas e longas-metragens, debates e masterclass ao longo dos vários dias do evento.

A abrir a Algarve Film Week e a Monstrare, no dia 18 de Janeiro, terá lugar uma sessão de esclarecimento para jovens intitulada Saúde Mental e a Pandemia, que contará com a presença do psicólogo Luís Neves e de Nuno Murcho (ARS) na Escola Secundária de Loulé. À noite, serão apresentadas três curtas-metragens portuguesas no Auditório do Solar da Música Nova: A Viagem, de Henrique Lopes, Macabre, de Jerónimo Rocha e João Miguel Real, e Erva Daninha, de Guilherme Daniel.

O Festival Caminhos do Cinema Português foi convidado a programar duas sessões da Algarve Film Week. A 19 de Janeiro, às 15h00, terá lugar uma sessão de curtas-metragens, composta pelos filmes O Lobo Solitário, de Filipe Melo, O Que Resta, de Daniel Soares, e O Macaco, de Xosé Zapata e Lorenzo Degl´Innocent. No mesmo dia, às 21h00, é exibida a longa-metragem Clube dos Anjos, realizada pelo brasileiro Angelo Defanti.

No dia 20, o jornalista Carlos Albino e Miguel Fernandes, do Algarve Tech Hub, estarão num debate sobre Inteligência Artificial na Casa do Meio-Dia. Já no Auditório do Solar da Música Nova, às 21h00, é exibido o filme Desculpa! Uma História Sobre Bullying, de Dave Schram, sobre a questão do bullying nas escolas, tendo como base o livro de Carry Slee.

O quarteirense Bernardo Lopes, realizador da premiada curta-metragem Moço, vai dar uma masterclass sobre realização de cinema, no dia 21 de Janeiro, no Auditório da Escola Secundária de Loulé. No mesmo dia, é exibido o documentário de animação Flee, de Jonas Poher Rasmussen, conta a história verídica de um homem, que, prestes a casar-se, decide revelar o seu passado como refugiado afegão.

O jornalista de cinema Rui Pedro Tendinha regressa a Loulé para a 2.ª edição dos prémios Cinetendinha, numa cerimónia transmitida em live streaming a partir do Cineteatro Louletano. Estes prémios pretendem distinguir  os melhores filmes e actores nacionais de 2021.

A encerrar a Algarve Film Week, no dia 23 de Janeiro, às 17h00, estará 28 ½, a segunda longa-metragem de Adriano Mendes. O filme centra-se na personagem de Teresa, interpretada por Anabela Caetano, ao longo de um dia e de uma noite difíceis.


PROGRAMA

entrada livre


18 Janeiro

Monstrare

15h00 - Debate/Sessão de Esclarecimento para jovens: Saúde Mental e a Pandemia com Luís Neves (Psicólogo) e Nuno Murcho (ARS)

Auditório da Escola Secundária de Loulé

21h00 – Curtas-Metragens

A Viagem, de Henrique Lopes (Portugal)

Macabre, de Jerónimo Rocha e João Miguel Real (Portugal)

Erva Daninha, de Guilherme Daniel (Portugal)

Auditório do Solar da Música Nova


19 Janeiro

Festival Convidado: Caminhos do Cinema Português

15h00 – Curtas-metragens

O Macaco, de Xosé Zapata e Lorenzo Degl´Innocenti (Portugal/Espanha)

O Lobo Solitário, de Filipe Melo (Portugal)

O Que Resta, de Daniel Soares (Portugal)

Auditório da Escola Secundária de Loulé

21h00 – Longa-metragem

Clube dos Anjos, de Angelo Defanti – 98min (Portugal/Brasil)

Auditório do Solar da Música Nova


20 Janeiro

Monstrare

18h00 – Debate: Inteligência Artificial com Carlos Albino (Jornalista) e Miguel Fernandes (Algarve Tech Hub)

Casa do Meio-Dia

21h00 – Longa-metragem

Desculpa! Uma História Sobre Bullying, de Dave Schram - 95 min (Holanda)

Auditório do Solar da Música Nova


21 Janeiro

Monstrare

15h00 – Masterclass: Bernardo Lopes

Auditório da Escola Secundária de Loulé

21h00 – Documentário

Flee, de Jonas Poher Rasmussen – 90 min (Dinamarca)

Auditório do Solar da Música Nova


22 Janeiro

Prémios Cinetendinha

17h00 – Streaming e gravação para broadcast

Cineteatro Louletano


23 Janeiro

Monstrare

17h00 – Longa-metragem

28 ½, de Adriano Mendes – 92 min (Portugal)

Cineteatro Louletano

domingo, 16 de janeiro de 2022

Sugestão da Semana #490

Das estreias da passada Quinta-feira, a Sugestão da Semana destaca A Távola de Rocha, de Samuel Barbosa, documentário sobre o realizador Paulo Rocha.

A TÁVOLA DE ROCHA


Ficha Técnica:
Título Original: A Távola de Rocha
Realizador: Samuel Barbosa
Elenco: Paulo Rocha, Isabel Ruth, Luís Miguel Cintra, Regina GuimarãesJorge RochaJunko OtaYujun Washino
Género: Documentário 
Classificação: M/12
Duração: 94 minutos

sábado, 15 de janeiro de 2022

Os Melhores do Ano: Top 20 [10.º - 1.º] #2021

Depois da primeira parte do TOP 20 de 2021 do Hoje Vi(vi) um Filme, revelamos agora os dez lugares cimeiros. Há uma certa melancolia latente nestes títulos, a alguns junta-se-lhe a revolta, a outros a saudade. 

Eis os meus 10 favoritos de 2021 (estreados no circuito comercial de cinema e streaming, em Portugal). 

10.º Pig - A Viagem de Rob, de Michael Sarnoski (2021)

Pig - A Viagem de Rob é a primeira longa-metragem de Michael Sarnoski, um filme cru e melancólico sobre solidão, perda e amor incondicional.


9.º Uma Miúda com Potencial / Promising Young Woman, de Emerald Fennell (2020)

Através da protagonista, Cassie, o filme de Emerald Fennell quer fazer justiça, enquanto joga, ironicamente, com a culpabilização da vítima e o elogio do criminoso. Do título às situações retratadas, Uma Miúda Com Potencial tudo discorre em redor de abusos e da noção de consentimento. O argumento constrói-se a partir daí e, dividido em vários actos, é inesperado até ao fim (mesmo que ambicionássemos uma conclusão bem mais inspirada).


8.º A Metamorfose dos Pássaros, de Catarina Vasconcelos (2020)

O mergulho nas memórias que uma casa guarda, ao longo de décadas de vida em comum, traz razões, reflexão, imaginação. E o ciclo da vida, que por vezes se repete, mesmo que de formas distintas, pode unir na dor e na experiência. O papel da Mãe na vida dos filhos; uma mãe árvore, qual mãe Natureza; a incapacidade de qualquer filho lidar com a ausência da figura materna, e a luta que trava com essa ideia; este filme transforma-se e transforma as emoções de quem o vê, tal como a antiga invenção de uma "metamorfose dos pássaros", que tranquiliza e apazigua tudo o que é impossível de explicar.


7.º Undine, de Christian Petzold (2020)

O tom trágico do cinema de Christian Petzold vem-se firmando em cada filme, alcançando uma aura mitológica e mágica no mais recente Undine. A dualidade de significados paira desde o início, num filme desafiante e encantador.


6.º O Poder do Cão / The Power of the Dog, de Jane Campion (2021)

Para além das vacas e de homens a cavalo (ou dos índios que aqui surgem em paz, longe de ser uma ameaça), há pouco de western no filme de Jane Campion. Em jogo estão relações interpessoais, que vão do amor à humilhação, da provocação à cumplicidade. Em redor da narrativa, está ainda aquilo que a sociedade espera de cada um, segundo as convenções da época; já quem vive fora da norma, o outsider naquele local, pode ser facilmente a vítima - ou o predador.


5.º O Pai / The Father, de Florian Zeller (2020)

O Pai aborda uma história simples e realista de envelhecimento e perda - de faculdades, de memórias, de laços... -, mas igualmente de dedicação e mágoa de uma filha. Zeller cria um drama desolador, pincelado por momentos de humor requintado, porque na tristeza também se encontram alguns sorrisos e amparo.


4.º Mães Paralelas / Madres paralelas, de Pedro Almodóvar (2021)

Pedro Almodóvar regressa às mulheres do seu Cinema, enquanto também recupera a memória do povo espanhol, que muitos querem que o tempo apague. Em Mães Paralelas, os laços de sangue e a herança histórica andam de mãos dadas.


3.º The Card Counter: O Jogador, de Paul Schrader (2021)

Tell não se comanda pela sorte ao jogo. Para ele, à mesa do casino, contam-se as cartas e joga-se com o bluff, sabendo sair no momento certo. Já na vida real, nem sempre é possível. Em The Card Counter: O Jogador não há santos, mas existe um muito forte desejo de redenção.


2.º Colectiv - Um Caso de Corrupção / Collective, de Alexander Nanau (2019)

Directamente da Roménia, Colectiv é um documentário que expõe as fraquezas e pecados de um Estado corrupto e doente. O realizador Alexander Nanau leva-nos aos bastidores da política e de uma investigação jornalística na sequência de um caso arrepiante.


1.º Mais Uma Rodada / Druk, de Thomas Vinterberg (2020)

Thomas Vinterberg convida-nos para um copo, para que o álcool de Mais Uma Rodada (Druk / Another Round) nos leve a uma reflexão sobre a vontade de viver. Esta ideia aparentemente louca não provoca ressacas, pelo contrário, é capaz de nos divertir e comover, na mesma medida.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2022

Os Melhores do Ano: Top 20 [20.º - 11.º] #2021

2022 já começou, e está na hora de fazer o balanço do ano cinematográfico que terminou (ainda muito condicionado pela pandemia). Olhando para os filmes vistos, e ainda foram bastantes, a qualidade não foi tanta como noutros anos - ou somos nós que estamos muito exigentes. 

Eis o Top 20 de 2021 do Hoje Vi(vi) um Filme, sempre tendo em conta as estreias no circuito comercial de cinema em Portugal ao longo do ano e nas plataformas de streaming

A lista é muito diversificada em géneros cinematográficos, com várias obras realizadas por mulheres e, em especial nesta metade do top, reúne alguns títulos com os quais criámos uma relação um tanto agridoce. Aqui ficam os meus eleitos, do 20.º ao 11.º lugares.

20.º Titane , de Julia Ducournau (2021)

Julia Ducournau não tem medo do choque. Titane prova-o, assim como revela uma mente criativa a fervilhar em ideias e vontade de pô-las em prática. A segunda longa-metragem da realizadora francesa parece dois filmes distintos, unidos pela protagonista comum: o filme-choque, onde abunda o erotismo e o body horror; e o drama psicológico, em que Vincent Lindon rouba a tela e dá tudo de si para o melhor de Titane.

 

The Velvet Underground é frenético como o início da banda, mas nunca desconexo, é música, arte, cinema e memória. Adapta-se a cada fase do grupo, entre os seus altos e baixos, ao mesmo tempo que reflecte, como poucos, a sociedade da época. 

18.º Malcolm & Marie, de Sam Levinson (2021)

Malcolm & Marie, de Sam Levinson, introduz-nos num ambiente pesado e desconfortável, que, inicialmente, quer calar a revolta e a mágoa entre os elementos de um casal, para, depois, disparar, sem travões, para todos os lados, em ataques cerrados. Levinson transforma as palavras em armas e leva os dois actores - e a plateia - ao limite.



A preservação de artefactos dos antepassados de uma civilização, o reconhecimento por quem dedica a vida à descoberta de vestígios da História e a eminência da guerra e da morte a pairar são os focos da acção do filme de Simon Stone. A defesa da memória é a grande mensagem da longa-metragem que, para além das descobertas museológicas, destaca ainda a importância da fotografia como mais um suporte físico que perdura no tempo, testemunhando, para o futuro, tempos há muito passados.



Nesta primeira incursão falada em inglês e com actores internacionais, Mia Hansen-Løve recupera as paixões de juventude mal resolvidas, enquanto explora todas as potencialidades da criação cinematográfica, com Bergman a guiá-la.



Denis Villeneuve anuncia a chegada do Messias em Duna, um filme que serão dois, e no qual colocou toda a sua dedicação e esmero. Os acontecimentos são apresentados com clareza, bem como a história de Paul Atreides e do planeta Arrakis, seus habitantes e forasteiros. O realizador não mostra receios em avançar com Duna e está decidido a "preservar" a história original.



Chloé Zhao criou um road movie melancólico e realista, que convida à introspecção, enquanto viajamos estrada fora pelas planícies sem fim do Oeste dos EUA. Eis Nomadland - Sobreviver na América, protagonizado por Frances McDormand e um elenco de não actores, verdadeiros nómadas.



A criatividade de Radu Jude é inesgotável e a crítica social que espelha em cada filme é certeira e provocadora. Má Sorte no Sexo Ou Porno Acidental segue esta linha, extrapolando-a, numa abordagem em capítulos que reflecte sobre a Roménia actual e a sua História, mas também acerca das sociedades na era pandémica, com todos os seus vícios, usando para tal o sexo e uma sex tape caseira.



First Cow - A Primeira Vaca da América, de Kelly Reichardt, é uma elegia ao sonho americano. A Natureza e os animais predominam em redor das personagens, por terrenos lamacentos, sujos e com pouco para oferecer. Fiel ao seu estilo, a realizadora cria um filme simples, sem pressas, onde a melancolia paira, e há significado nas mais pequenas coisas.

11.º A Noite Passada em Soho / Last Night in Soho, de Edgar Wright (2021)  

A criatividade sem limites de Edgar Wright junta-se ao leque de influências do realizador e resulta num inspirador giallo moderno chamado A Noite Passada em Soho. Um filme que explora duas eras distintas como se fossem a mesma, com personagens dúbias e muito suspense.

Cinema na TV generalista no fim-de-semana: Janeiro #2

quinta-feira, 13 de janeiro de 2022

Estreias da Semana #490

Esta Quinta-feira, chegam aos cinemas portugueses oito novos filmes. Há também novidades no streaming.

A Távola de Rocha (2021)
Samuel Barbosa trabalhou largos anos com Paulo Rocha, de Vanitas (2004) até ao último filme Se Eu Fosse Ladrão... Roubava (2013). Em A Távola de Rocha propõe um reencontro com o cinema de Rocha, as personagens, os lugares, os décors e as pessoas, os actores, os artistas, os amigos que testemunham as experiências com o autor de Verdes Anos e A Ilha dos Amores. O realizador mostra ainda imagens inéditas, do arquivo de Rocha e de arquivos japoneses (o realizador viveu vários anos no Japão, onde foi adido cultural e onde trabalhou em alguns dos seus filmes).

Abraça-me com Força (2021)
Serre moi fort
A história de Clarisse, uma mulher que, aparentemente, parte e deixa o marido e os filhos, mas este acontecimento é apenas o ponto de inflexão para um melodrama, um retrato da perda ao longo dos anos.

Às Coisas Que Nos Fazem Felizes (2020)
Gli anni più belli
Roma, à entrada dos anos 80. Giulio, Paolo e Riccardo têm 16 anos e toda a vida pela frente. Giulio e Paolo já são amigos quando conhecem Riccardo numa manifestação estudantil. Ao trio junta-se Gemma, a rapariga por quem Paolo está perdidamente apaixonado. Os quatro tentam sobreviver aos mesmos acontecimentos, tanto pessoais como históricos: a queda do muro de Berlim, a operação Mãos Limpas, a entrada em cena de Berlusconi e o colapso das Torres Gémeas. E devem aprender que aquilo que conta verdadeiramente são "as coisas que nos fazem estar bem" e que certos amores – assim como certas amizades – "dão voltas enorme e depois regressam".

Best Sellers (2021)
Num esforço desesperado para salvar a pequena empresa de edição de livros que o pai lhe deixou, uma jovem editora convence um escritor alcoólico, que colocou a modesta casa no mapa décadas antes, a apresentar a obra que lhes deve e a efectuar uma última digressão promocional.

Gritos (2022)
Scream
25 anos após a onda de assassinatos brutais que chocou a tranquila localidade de Woodsboro, um novo assassino toma o lugar de Ghostface e começa a perseguir um grupo de jovens para desenterrar segredos do passado sombrio da cidade.

O Perdão (2021)
Ghasideh Gave Sefid / Ballad of a White Cow
A vida de Mina muda quando descobre que o marido Babak é inocente do crime pelo qual foi executado. Então, inicia uma batalha silenciosa contra um sistema cínico. As autoridades pedem desculpa pelo erro e oferecem a perspectiva de uma compensação financeira. Quando o dinheiro está a acabar, um estranho chamado Reza bate-lhe à porta a dizer que veio saldar uma dívida que tinha para com Babak. Mina desconfia, mas vai deixando que Reza entre na sua vida, alheia ao segredo que os liga.

Seis Minutos Para a Meia Noite (2020)
Six Minutes to Midnight
No Verão de 1939, as tensões entre o Reino Unido e a Alemanha estão no ponto de ebulição. Augusta Victoria College, uma escola de aperfeiçoamento para filhas e afilhadas da elite nazi na costa sul da Inglaterra, está sob escrutínio após o misterioso desaparecimento de um professor, o Sr. Wheatley. A governanta da escola, Miss Rocholl (Judi Dench), contrata Thomas Miller (Eddie Izzard) para substituir Wheatley. Lentamente, Thomas levanta suspeitas da parte de Ilse Keller (Carla Juri), a tutora alemã das meninas. Acusado de assassinato, Thomas vê-se obrigado a fugir para limpar o seu nome e descobrir o verdadeiro plano de Ilse.

Estreia dia 14 de Janeiro no cinema:

Depois do Medo - Bruno Nogueira (2021)
Depois do Medo
Depois do Medo marca o regresso de Bruno Nogueira ao stand up após uma pausa de 10 anos. Após ter percorrido o país de norte a sul com este espectáculo, termina a digressão perante uma plateia esgotada de 14 mil pessoas, em Lisboa. O espectáculo dessa noite foi filmado, e é agora exibido no cinema.

TVCine

Estreia a 13 de Janeiro:

A Mulher de Jakob (2021)
Jakob's Wife
Anne, casada com o pastor de uma pequena localidade, sente que a sua vida não é nada daquilo que desejava. Mas um encontro inesperado vai dar-lhe um novo apetite para viver de forma mais ousada. Com a mudança, chegam também muitos cadáveres...

Apple TV +

Estreia a 14 de Janeiro:

A Tragédia de Macbeth (2021)
The Tragedy of Macbeth
Macbeth, o Thane de Glamis, recebe uma profecia de um trio de bruxas de que um dia se tornará Rei da Escócia. Consumido pela ambição e incitado à acção pela esposa, Macbeth assassina o seu rei e toma o trono para si.

Amazon Prime Video

Estreia a 14 de Janeiro:

Hotel Transylvania: Transformania (2022)
Quando a misteriosa invenção de Van Helsing, o Raio Monstrificante, é usada de forma descontrolada, Drac e os seus amigos monstros são todos transformados em humanos e Johnny torna-se um monstro. Com esta troca de corpos, Drac, sem os seus poderes, e um Johnny exuberante, a adorar a vida como monstro, terão que se juntar e dar a volta ao mundo para encontrar uma cura antes que seja tarde demais - e antes que se enlouqueçam um ao outro.

KINO 2022: Programação completa revelada

A 19.ª KINO – Mostra de Cinema de Expressão Alemã já anunciou a sua programação completa. O evento acontece entre 27 de Janeiro a 2 de Fevereiro, no Cinema São Jorge, em Lisboa, e em Filmin.pt.

Serão apresentadas 15 longas-metragens oriundas da Alemanha, Áustria, Suíça e Luxemburgo, sob o tema In Zukunft (em português, De Futuro).

 Aos filmes já anunciados na secção Visões, juntam-se agora Fabian, de Dominik Graf; O mundo jamais será o mesmo, de Anne Zohra Berrached; e Ninguém está com as vitelas, de Sabrina Sarabi. A secção Perspetivas fica completa com Toubab, de Florian Dietrich, e Só mais uma voltinha no carrossel, de Hannes Starz. O grafiteiro de Zurique, de Nathalie David, fecha a secção documental da KINO, Realidades.

A KINO – Mostra de Cinema de Expressão Alemã, do Goethe-Institut Portugal, tem curadoria de Teresa Althen e Susana Santos Rodrigues. Mais informações em www.goethe.de/portugal/kino.