quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

Crítica: Bohemian Rhapsody (2018)

"How many more Galileos do you want?"
Roger Taylor


*5/10*

A ascensão de Freddie Mercury e dos Queen, desde o tempo em que o cantor dava pelo nome de Farrokh Bulsara, ao afastamento e posterior reunião da banda para o Live Aid, em 1985. É este o percurso que Bohemian Rhapsody segue.

Envolvido em polémicas desde o início (e ainda continuam...), o biopic dos Queen realmente aconteceu, realizado por Bryan Singer - que deixou as filmagens semanas antes do filme estar concluído -, e protagonizado por Rami Malek. Mas todos merecíamos um filme com a mesma alma da banda - e essa não está lá.


Bohemian Rhapsody conta a história por detrás da ascensão da banda através de suas canções e som revolucionário. Relata também a quase implosão da própria banda graças ao estilo de vida corrosivo de Mercury, e da sua reunião triunfante em vésperas do Live Aid, onde Mercury, lutando contra uma doença mortal, guia a banda por uma das maiores actuações da história do rock. 

É através da música que nos sentimos ligados ao filme, bem como aos elementos da banda - todos tão semelhantes aos originais -, por entre um argumento pouco eficaz em cativar a plateia, tocando os temas de forma superficial e pouco corajosa. Os momentos com Mary e o concerto no Live Aid são, sem dúvida, os grandes momentos de Bohemian Rhapsody.


E é mesmo Rami Malek quem conduz o filme e o faz valer a pena. Uma interpretação quase idêntica ao verdadeiro Freddie, o que vai para além da caracterização ou parecenças físicas. Malek estudou minuciosamente os gestos, os movimentos a forma de andar de Freddie Mercury... Uma interpretação convincente e cheia de dedicação.

A celebração de Queen e o recordar do ícone que Mercury foi e continua a ser para todos é o que realmente podemos guardar de mais positivo de Bohemian Rhapsody - e, claro, Rami Malek - "porque o espectáculo tem de continuar"

terça-feira, 22 de janeiro de 2019

Oscars 2019: Academia sem Fronteiras

Os nomeados para os Oscars 2019 já são conhecidos e não têm faltado análises um pouco por toda a parte. Entre surpresas ou ausências, certo é que esta 91.ª edição tem um conjunto de nomeados muito ecléctico. Não irá haver a polémica do Oscars so white, com actores negros e brancos nomeados e com um filme mexicano nomeado em 10 categorias. Todavia, encontar-se-ão outras polémicas para animar, de certeza, fiquem descansados.

Para começar, dos dez lugares disponíveis para Melhor Filme, apenas oito foram ocupados - sem grandes surpresas entre os escolhidos. Black Panther conseguiu a proeza de ser o primeiro filme de super-heróis a chegar à categoria de Melhor Filme, para compensar o facto da de Filme Popular nem ter chegado a ver a luz do dia.

Black Panther

Na Academia não há muros

Roma é o novo amor de Hollywood. Pena é a Academia querer quebrar preconceitos ao nomear duas actrizes mexicanas que não têm o talento, por exemplo, da polaca Joanna Kulig (Cold War), que ficou de fora e provavelmente nem foi considerada. Não sendo esperado, sempre seria mais justo. Yalitza Aparicio e Marina de Tavira acabaram por tirar o lugar a Emily Blunt, quer para Actriz Principal, com O Regresso de Mary Poppins, quer para Actriz Secundária, com o extraordinário desempenho em Um Lugar Silencioso. Em relação a este que foi, sem dúvida, um dos melhores de 2018, a Academia parece ter tido medo de tanto silêncio e o filme acabou ironicamente nomeado apenas para Melhor Montagem de Som.

Ainda sobre Roma, parece que o filme de Alfonso Cuarón fez a comunidade cinematográfica fazer as pazes com a Netflix. Dez nomeações para o filme e 13, ao todo, para o estúdio, não é nada mau sinal.

De mansinho eles chegam lá

Spike Lee e BlackKklansman surgiram de mansinho mas conseguiram lugar de destaque. Lee conquistou a primeira nomeação para realizador, à qual se soma Melhor Filme, Melhor Argumento, Melhor Actor Secundário (Adam Driver), Melhor Banda Sonora (Terence Blanchard) e Melhor Montagem.

Aos poucos, também o grego Yorgos Lanthimos tem conquistado Hollywood e The Favourite é prova disso com 10 nomeações. O filme está na corrida para Melhor Filme, Realizador, Argumento Original, Design de Produção, Guarda-Roupa, Actriz Principal (Olivia Coleman), Actriz Secundária (aqui a dobrar, Emma Stone e Rachel Weisz), Fotografia e Montagem.

Surpresas e injustiças

First Reformed

O injustiçado-mor é Ethan Hawke. Totalmente esquecido pela Academia para Melhor Actor. O protagonista de Um Coração na Escuridão (First Reformed) tem ali o papel de uma vida que deveria ser premiado. Já o filme apenas conseguiu a nomeação para Melhor Argumento Original para Paul Schrader.

O Primeiro Homem na Lua (First Man) não conseguiu atingir o buzz dos anteriores filmes de Damien Chazelle e não esperava que conseguisse muitas nomeações. Está na corrida em quatro categorias. As ausências mais notadas são na categoria de Banda Sonora (Justin Hurwitz), Fotografia (Linus Sandgren) e Actriz Secundária para Claire Foy.

Bohemian Rhapsody, o filme biográfico sobre os Queen, foi perdendo fulgor no caminho da award season. Conquistou apenas cinco nomeações - que até é muito, tendo em conta a qualidade do produto final. Já para Melhor Documentário, aquele que à partida seria o favorito à vitória, Won’t You Be My Neighbor?, nem chegou aos nomeados.

Foi com surpresa que constatamos que Bradley Cooper não chegou à categoria de Melhor Realizador e com grande alegria que percebemos que o lugar que faltava foi ocupado pelo fabuloso Paweł Pawlikowski, por Cold War

Timothée Chalamet (Beautiful Boy) ficou de fora dos nomeados para Melhor Actor Secundário, sendo uma ausência algo notada. Nicole Kidman também não chegou a Melhor Actriz, nem com Destroyer, nem com Boy Erased. Por outro lado, é com surpresa que vemos o van Gogh de Willem Dafoe nomeado para Melhor Actor por At Eternity's Gate.

Adeus "mulheres ao poder"

Can You Ever Forgive Me?

Este ano, o women empowerment não passa da ficção - com personagens femininas fortes em muitos dos filmes nomeados. No mundo real, não há realizadoras nomeadas - o ano passado Greta Gerwig marcou a diferença. Não sendo eu apologista que se premeie alguém só por ser do sexo feminino ou masculino, mas sim pelo talento, dou algumas sugestões de realizadoras talentosas que fizeram um trabalho digno de nomeação em 2018. Lynne Ramsay (Temos de Falar Sobre Kevin, de 2011), com o fabuloso Nunca Estiveste Aqui (You Were Never Really Here) protagonizado por Joaqun PhoenixMarielle Heller, com Can You Ever Forgive Me? - que, por acaso, está nomeado para três Oscars -;  Chloé Zhao, com The Rider; Debra Granik (realizadora de Despojos de Inverno, de 2010, nomeada para Melhor Argumento Adaptado, em 2011), com Leave No Trace; Tamara Jenkins (realizadora de Os Savages, de 2007, nomeada para Melhor Argumento Original, em 2008), com; ou Karyn Kusama, com Destroyer, são alguns exemplos. Talvez para o ano.

Mas o meu real apelo é: premeiem talento e não cores de pele, nacionalidades, géneros, estereótipos ou preconceitos. Nós gostamos de bom cinema, não gostamos de politiquice ou hipocrisia à mistura. Talento sim, por favor!

Oscars 2019: Nomeados

Os nomeados para os Oscars 2019 foram conhecidos esta Terça-feira. Este ano, Kumail Nanjiani e Tracee Ellis Ross anunciaram os escolhidos para as várias categorias. Roma e The Favourite lideram, com dez nomeações cada.


A 91.ª cerimónia dos Oscars acontecerá no dia 24 de Fevereiro, no Dolby Theatre, em Los Angeles.

Aqui fica a lista completa de nomeados:

Melhor Filme
BlacKkKlansman
Black Panther
Bohemian Rhapsody
The Favourite
Green Book
Roma
A Star Is Born
Vice

Melhor Actor
Christian Bale (Vice)
Bradley Cooper (A Star Is Born)
Willem Dafoe (At Eternity's Gate)
Rami Malek (Bohemian Rhapsody)
Viggo Mortensen (Green Book)

Melhor Actriz
Yalitza Aparicio (Roma)
Glenn Close (The Wife)
Olivia Colman (The Favourite)
Lady Gaga (A Star Is Born)
Melissa McCarthy (Can You Ever Forgive Me?)

Melhor Actor Secundário
Mahershala Ali (Green Book)
Adam Driver (BlacKkKlansman)
Sam Elliott (A Star Is Born)
Richard E. Grant (Can You Ever Forgive Me?)
Sam Rockwell (Vice)

Melhor Actriz Secundária 
Amy Adams (Vice)
Marina de Tavira (Roma)
Regina King (If Beale Street Could Talk)
Emma Stone (The Favourite)
Rachel Weisz (The Favourite)

Melhor Realizador
Alfonso Cuaron (Roma)
Yorgos Lanthimos (The Favourite)
Spike Lee (BlacKkKlansman)
Adam McKay (Vice)
Pawel Pawlikowski (Cold War)

Melhor Argumento Original
The Favourite (Deborah Davis e Tony McNamara)
First Reformed (Paul Schrader)
Green Book (Brian Hayes Currie, Peter Farrelly e Nick Vallelonga)
Roma (Alfonso Cuaron)
Vice (Adam McKay)

Melhor Argumento Adaptado
A Star Is Born (Bradley Cooper, Will Fetters e Eric Roth)
The Ballad of Buster Scruggs (Joel Coen e Ethan Coen)
BlacKkKlansman (Spike Lee, David Rabinowitz, Charlie Wachtel e Kevin Willmott)
If Beale Street Could Talk (Barry Jenkins)
Can You Ever Forgive Me? (Nicole Holofcener e Jeff Whitty)

Melhor Filme de Animação
Incredibles 2
Isle of Dogs
Mirai
Ralph Breaks the Internet
Spider-Man: Into the Spider-Verse

Melhor Filme Estrangeiro
Capernaum (Líbano)
Cold War (Polónia)
Never Look Away (Alemanha)
Roma (México)
Shoplifters (Japão)

Melhor Fotografia
The Favourite (Robbie Ryan)
Never Look Away (Caleb Deschanel)
Roma (Alfonso Cuaron)
A Star Is Born (Matty Libatique)
Cold War (Lukasz Zal)

Melhor Montagem
BlacKkKlansman (Barry Alexander Brown)
Bohemian Rhapsody (John Ottman)
The Favourite (Yorgos Mavropsaridis)
Green Book (Patrick J. Don Vito)
Vice (Hank Corwin)

Melhor Design de Produção
Black Panther (Hannah Beachler e Jay Hart)
The Favourite (Fiona Crombie e Alice Felton)
First Man (Nathan Crowley e Kathy Lucas)
Mary Poppins Returns (John Myhre e Gordon Sim)
Roma (Eugenio Caballero e Barbara Enriquez)

Melhor Guarda-Roupa
The Ballad of Buster Scruggs (Mary Zophres)
Black Panther (Ruth E. Carter)
The Favourite (Sandy Powell)
Mary Poppins Returns (Sandy Powell)
Mary Queen of Scots (Alexandra Byrne)

Melhor Caracterização
Border
Mary Queen of Scots
Vice

Melhor Banda Sonora Original
Black Panther (Ludwig Goransson)
BlacKkKlansman (Terence Blanchard)
If Beale Street Could Talk (Nicholas Britell)
Isle of Dogs (Alexandre Desplat)
Mary Poppins Returns (Marc Shaiman)

Melhor Canção Original
All the Stars (Black Panther, escrito por Kendrick Lamar, Al Shux, Sounwave, SZA e Anthony Tiffith)
Interpretado por Kendrick Lamar e SZA
I'll Fight (RBG, escrito por Diane Warren)
Interpretado por Jennifer Hudson
The Place Where Lost Things Go (Mary Poppins Returns, escrito por Marc Shaiman e Scott Wittman)
Interpretado por Emily Blunt
Shallow (A Star Is Born, escrito por Lady Gaga, Mark Ronson, Anthony Rossomando e Andrew Wyatt)
Interpretado por Bradley Cooper e Lady Gaga
When a Cowboy Trades His Spurs for Wings (The Ballad of Buster Scruggs, escrito por Dave Rawlings e Gillian Welch)
Interpretado por Tim Blake Nelson e Willie Watson

Melhores Efeitos Sonoros
Black Panther
Bohemian Rhapsody
First Man
Roma
A Star Is Born

Melhor Montagem de Som
Black Panther
Bohemian Rhapsody
First Man
A Quiet Place
Roma

Melhores Efeitos Visuais
Avengers: Infinity War
Christopher Robin
First Man
Ready Player One
Solo: A Star Wars Story

Melhor Documentário
Free Solo
Hale County This Morning, This Evening
Minding the Gap
Of Fathers and Sons
RBG

Melhor Curta Documental
Black Sheep
End Game
Lifeboat
A Night at the Garden
Period. End of Sentence.

Melhor Curta de Animação
Animal Behaviour
Bao
Late Afternoon
One Small Step
Weekends

Melhor Curta
Detainment
Fauve
Marguerite
Mother
Skin

Anunciada banda sonora do filme Gabriel

O filme português Gabriel anunciou a lista completa de temas que irão compor a sua banda sonora. Quatro das canções foram escolhidas através de um concurso lançado pela produção do filme. Os vencedores foram Ken Ki Fla, de Mynda Guevara, Tic Tac, de Asig, Namoro, de BAD feat. Edgar Domingos e Incentivo, de Neko Rs.


Gabriel, realizado por Nuno Bernardo, é um drama sobre um jovem adulto à procura da sua verdadeira identidade. Passado na actualidade e filmado num dos mais complicados bairros de Lisboa, os Olivais, Gabriel conta-nos a história de um jovem pugilista cabo-verdiano que, após a morte da mãe, viaja para Portugal na tentativa de encontrar o pai, um antigo campeão de boxe. Nesta busca, Gabriel descobre o passado do seu pai e que o seu futuro depende da sua decisão de aceitar um perigoso combate.

Gabriel estreia a 21 de Março nos cinemas portugueses.

Fica a lista completa dos temas da banda sonora do filme:

Vado Más Ki Às - Vai 
Vado Más Ki Às - O Comboio
Vado Más Ki Às - Rijo
Vado Más Ki Às ft. Bispo - Fica Atento
Wet Bed Gang ft. Charlie Beats - Aleluia
Dillaz - Mo Boy
Royalistick - Uma Chance
Piruka - Se Eu Não Acordar Amanhã
Estraca - Perspectiva
BAD ft. Edgar Domingos - Namoro
Neko Rs - Incentivo
Asig - Tic Tac
Mynda Guevara - Ken Ki Fla

segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

5º Wine & Flavours Film Festival em Lisboa a 24 e 25 de Janeiro

A 5ª edição do Wine & Flavours Film Festival acontece nos dias 24 e 25 de Janeiro de 2019, na Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa, e será dedicada à região vitivinícola do Vinho Verde, aos sabores e aromas, e que se cruza com a história do cinema.


O evento quer dar a conhecer a história do Vinho Verde, através de workshops, almoço vínico, mixology wine experience, exibição de filmes, jogos lúdicos entre outras actividades a decorrer ao longo dos dois dias do evento.

Esta iniciativa é desenvolvida pelos alunos finalistas da Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa, no âmbito da disciplina de Organização de Eventos do Sector do Turismo, do terceiro semestre do curso de Gestão de Restauração e Bebidas. Nesta edição, vários parceiros apoiam o festival como CVRVV, Quinta do Soalheiro, Areias de Seixo, Restaurante Alma de Henrique Sá Pessoa, Às de Copos, Porco.pt, Palácio da Brejoeira, Museu do Vinho Verde, Queijaria Prados de Melgaço, Beamian, Soditud Nuvifruits, entre outros.

Eis o programa do Wine & Flavours Film Festival:



Razzie Awards 2019: Nomeados

Os Razzie Awards, que premeiam o pior que se faz no cinema, deram a conhecer os nomeados desta 39.ª edição. Este ano, nem Donald Trump escapa. Os vencedores serão conhecidos a 23 de Fevereiro. 

Donald Trump em Fahrenheit 11/9

Eis a lista de nomeados:

Pior Filme
Gotti
The Happytime Murders
Holmes & Watson
Robin Hood
Winchester

Pior Actriz
Hopper Stone/STX
Jennifer Garner / Peppermint
Amber Heard / London Fields
Melissa McCarthy / The Happytime Murders and Life of the Party
Helen Mirren / Winchester
Amanda Seyfried / The Clapper  

Pior Actor
Johnny Depp (voz) / Sherlock Gnomes
Will Ferrell / Holmes & Watson
John Travolta / Gotti
Donald J. Trump / Death of a Nation e Fahrenheit 11/9 
Bruce Willis / Death Wish 

Pior Actor Secundário
Jamie Foxx / Robin Hood
Ludacris (voz)/ Show Dogs
Joel McHale / The Happytime Murders
John C. Reilly / Holmes & Watson
Justice Smith / Jurassic World: Fallen Kingdom 

Pior Actriz Secundária
Kellyanne Conway / Fahrenheit 11/9
Marcia Gay Harden / Fifty Shades Freed
Kelly Preston / Gotti
Jaz Sinclair / Slender Man
Melania Trump / Fahrenheit 11/9

Pior Dupla
Quaisquer dois actores ou bonecos (especialmente naquelas cenas de sexo assustadoras) / The Happytime Murders
Johnny Depp e a sua carreira em rápido declínio (ele está a fazer vozes para desenhos animados!) / Sherlock Gnomes
Will Ferrell & John C. Reilly (por destruírem duas das personagens mais adoradas da literatura) / Holmes & Watson
Kelly Preston & John Travolta (por conseguirem críticas ao nível de Battlefield Earth!) / Gotti
Donald J. Trump e a sua sistemática trivialidade / Death of a Nation e Fahrenheit 11/9

Pior Remake, Rip-Off ou Sequela
Death of a Nation (remake de Hillary’s America...)
Death Wish
Holmes & Watson
The Meg (rip-off de Jaws)
Robin Hood  

Pior Realizador
Bill Watters/ Getty
Etan Cohen / Holmes & Watson
Kevin Connolly / Gotti
James Foley / Fifty Shades Freed
Brian Henson / The Happytime Murders
The Spierig Brothers (Michael e Peter) / Winchester

Pior Argumento
Death of a Nation, escrito por Dinesh D’Souza e Bruce Schooley
Fifty Shades Freed, escrito por Niall Leonard, a partir do romance de E.L. James  
Gotti, escrito por Leo Rossi e Lem Dobbs
The Happytime Murders, escrito por Todd Berger, história de Berger e Dee Austin Robinson  
Winchester, escrito por Tom Vaughan e The Spierig Brothers 

Sugestão da Semana #360

Das estreias da passada Quinta-feira, a Sugestão da Semana destaca Glass, de M. Night Shyamalan, filme que junta as narrativas de O Protegido (2000) e Fragmentado (2016). Bruce WillisSamuel L. JacksonJames McAvoy regressam na pele das personagens que já conhecemos, David DunnElijah Price e Kevin Wendell.

GLASS


Ficha Técnica:
Título Original: Glass
Realizador: M. Night Shyamalan
Actores: James McAvoy, Bruce Willis, Samuel L. Jackson, Anya Taylor-Joy, Sarah Paulson
Género: Drama, Mistério, Ficção Científica
Classificação: M/14
Duração: 129 minutos

domingo, 20 de janeiro de 2019

PGA Awards: Vencedores

Os Producers Guild Awards anunciaram os vencedores a noite passada. Green Book foi considerado o melhor filme e ganha terreno na corrida para o Oscar na mesma categoria.

A award season aproxima-se do seu auge e todas as previsões se vão construindo à medida que se revelam os vencedores dos sindicatos da especialidade.


Fica a lista completa dos vencedores dos prémios PGA:

Darryl F. Zanuck Award para Melhor Filme
Green Book

Melhor Filme de Animação
Spider-Man: Into the Spider-Verse

Melhor Documentário
Won’t You Be My Neighbor?

Norman Felton Award para Melhor Série, Drama
The Americans, Temporada 6

Danny Thomas Award para Melhor Série, Comédia
The Marvelous Mrs. Maisel, Temporada 2

David L. Wolper Award para Melhor Minissérie
The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story, Temporada 2 

Melhor Filme para Televisão
Fahrenheit 451

Não Ficção Televisiva
Anthony Bourdain: Parts Unknown, Temporada 11, Temporada 12

Talk-Show
Last Week Tonight With John Oliver, Temporada 5

Produção de Jogos ou Competição Televisiva
RuPaul's Drag Race, Temporada 10

Programa de Pequeno Formato
Comedians in Cars Getting Coffee, Temporada 5

Programa Desportivo
Being Serena, Temporada 1

Programa Infantil
Sesame Street, Temporada 48