Hoje vi(vi) um filme: Doclisboa'16: Damaia dj’acaba ma inda nu sta pa li (2016)

sábado, 29 de outubro de 2016

Doclisboa'16: Damaia dj’acaba ma inda nu sta pa li (2016)

*6/10*

Na secção Verdes Anos do Doclisboa'16, encontra-se um curioso documentário que entra na realidade de um bairro prestes a ser destruído. Damaia dj’acaba ma inda nu sta pa li, de Daniel Veloso e Sofia Lemos Marques, percorre o passado, o presente e o futuro do local e dos seus habitantes.


É com um toque de melancolia que tudo nos é mostrado. Entramos no bairro Estrela d'África, na Damaia, nos arredores de Lisboa, inicialmente através de vídeos caseiros da família Encarnação, a última família que ali reside.

Construído por imigrantes cabo-verdianos depois do 25 de Abril, o bairro tem vindo a ser demolido, restando, na altura em que este documentário foi filmado, apenas a casa desta família, que aguardava realojamento.

Ao passado filmado da família Encarnação, cujo progenitor comprou uma câmara nos anos 90, seguem-se imagens do presente, com quase todo o bairro demolido. Um contraste duro também para o espectador, a quem os realizadores apresentam o dia-a-dia daqueles últimos moradores do Estrela D'África, as suas queixas para com a Câmara Municipal, as saudades dos antigos vizinhos.

Os planos que exploram os objectos deixados para trás, entre os destroços das casas demolidas - sejam cartas do estrangeiro ou bibelôs de louça -, detém uma força e dimensão enormes e só é pena não serem mais vezes utilizados no filme.

As músicas cabo-verdianas que compõem a banda sonora, alegram o cenário de desolação que Damaia dj’acaba ma inda nu sta pa li apresenta, sempre com uma réstia de nostalgia inerente. Sentimento que continua e se adensa na reunião de amigos na "assada" organizada no bairro, onde se recordam momentos e pessoas.

O documentário é pertinente e tem alguns bons momentos, mas falta-lhe mais foco (sente-se uma grande diferença entre a primeira metade, junto da família Encarnação, e a segunda, juntos dos jovens do bairro) e ser um pouco mais imparcial.

Sem comentários: