Hoje vi(vi) um filme: Crítica: The Hunger Games: A Revolta - Parte 2 / The Hunger Games: Mockingjay - Part 2 (2015)

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Crítica: The Hunger Games: A Revolta - Parte 2 / The Hunger Games: Mockingjay - Part 2 (2015)

"Tonight, turn your weapons to the Capitol! Turn your weapons to Snow!"
Katniss Everdeen
*6.5/10*

Os jogos acabam este ano. O derradeiro capítulo da saga Hunger Games chega aos cinemas e é, certamente, um dos títulos mais esperados de 2015. Jennifer Lawrence despede-se de Katniss Everdeen, a personagem que a trouxe em pleno para a ribalta (Despojos de Inverno revelou o talento da actriz, mas foi Hunger Games que a tornou vedeta), e o público diz adeus à série de filmes que trouxeram para o grande ecrã a história dos livros de Suzanne Collins.

A Guerra começou em 2014, com a primeira parte do último capítulo da saga. Agora, com The Hunger Games: A Revolta - Parte 2 descobriremos qual das facções sai vencedora. Com a nação de Panem numa guerra em grande escala, e unida a um grupo de amigos, incluindo Gale, Finnick e Peeta, Katniss parte numa missão com a unidade do Distrito 13, arriscando as suas vidas para tentar assassinar o Presidente Snow, que se tornou cada vez mais obcecado em destruí-la. As armadilhas, inimigos e escolhas mortais que esperam por Katniss irão desafiá-la mais do que quaisquer Jogos da Fome.


Francis Lawrence não conseguiu recuperar neste último título o fôlego do segundo filme - para mim, o melhor da saga. A força e emoção que envolviam a plateia, faziam sofrer, regressaram a meio gás, não deixando ainda assim a saga ficar mal.

Agora, é o suspense a grande arma de A Revolta - Parte 2. A primeira parte adensou o entusiasmo e não revelou demais, soube manter o ritmo, mas esteve em jogo mais a estratégia do que a acção. Essa toma conta deste último filme. Ritmado, com muitas explosões e tiroteios, há espaço para trabalhar no suspense, de modo que, o público dará por si  colado à cadeira, ansioso, a temer o que se segue, qual filme de terror. No caminho subterrâneo para o Capitólio esta sensação atinge o seu auge. 

Outro ponto forte será sempre a empatia já criada com as personagens. Jennifer Lawrence continua eficaz como Katniss Everdeen, corajosa e segura em combate mas de coração dividido. Uma mulher de poucos sorrisos como a situação de guerra exige. Josh Hutcherson como Peeta Mellark experimenta uma personalidade diferente, após a tortura a que foi submetido no filme anterior e revela-se competente, aproximando-se da plateia. Por seu lado, Liam Hemsworth enquanto Gale, perde alguma presença, apesar de continuar a ser o fiel e protector companheiro de Katniss. Para além do triângulo protagonista, despedimo-nos aqui de vez de Philip Seymour Hoffman na pele de Plutarch Heavensbee, tornando as cenas onde o actor surge mais emotivas que o esperado. Revemos em boas prestações Julianne Moore (Alma Coin), Donald Sutherland (Snow), Woody Harrelson (Haymitch Abernathy), Elizabeth Banks (Effie Trinket) ou Jena Malone (Johanna Mason), entre outros.


Todavia, o grande calcanhar de Aquiles deste último filme é mesmo a previsibilidade. Não será preciso ter lido o livro - eu não li nenhum dos três - para adivinhar o que acontece em alguns momentos. E o suspense cai por terra quando já adivinhamos quem será a próxima vítima.

No meio da guerra, há tempo para o amor, para as dúvidas, para a família, para a ambição. Efectivamente, este capítulo final de Hunger Games não é o melhor dos quatro filmes, mas contém em si toda a aura que Katniss Everdeen tem trazido consigo desde a primeira longa-metragem, em 2012. A alegoria ao poder desmedido, às acentuadas diferenças entre ricos e pobre, ao entretenimento das massas com o sofrimento real, sem pudor, continuam a ser os trunfos da saga que agora termina.

1 comentário:

Os Filmes de Frederico Daniel disse...

"The Hunger Games: A Revolta - Parte 2": 5*

Com uma história e ação fogosas, este filme fechou a saga com chave de ouro e recomendo vivamente que o vejam.

Cumprimentos, Frederico Daniel.