Hoje vi(vi) um filme: Doclisboa'15: Acorda, Leviatã (2015)

domingo, 1 de novembro de 2015

Doclisboa'15: Acorda, Leviatã (2015)

*7.5/10*

Carlos Conceição surgiu na Competição Portuguesa do Doclisboa'15 com Acorda, Leviatã, uma docuficção original que atinge, em parte, o nível de filme de ficção científica.


O realizador parte de um poema de T. S. Eliot, The Hollow Men, onde o autor repete três vezes a frase “É assim que acaba o mundo”, acrescentando, de seguida: “Não com um estrondo, mas com um gemido”. Em Acorda, Leviatã, do espaço, um terráqueo a recuperar de um coração partido regressa à Terra quando se apercebe de que toda a água do planeta desapareceu.

No filme viajamos da Terra ao espaço e regressamos com o jovem terráqueo, interpretado por João Arrais, acompanhados por uma banda sonora envolvente. Na chegada, resta-nos deserto, vento e areia. A Terra, sem água, é como alguém cujos sentimentos desapareceram, tal como o coração partido da sinopse. O planeta parece partilhar da sua angústia.

Rodado em Angola, Acorda, Leviatã proporciona-nos planos que realçam a grandiosidade das paisagens e do Mundo que nos rodeia. Aberto a diversas interpretações, o filme de Carlos Conceição foi uma boa surpresa neste Doclisboa.

Sem comentários: