quinta-feira, 20 de Novembro de 2014

Estreias da Semana #143

Seis filmes chegaram às salas de cinema portuguesas esta Quinta-feira. The Hunger Games: A Revolta - Parte 1 conquista as principais atenções.

20.000 Dias na Terra (2014)
20,000 Days on Earth
O 20 000º dia na vida de Nick Cave – a partir do som do seu despertador, logo pela manhã, até a um passeio nocturno pela praia, após um concerto – transforma-se num retrato de um dos mais criativos artistas do nosso tempo. Na sua estreia cinematográfica, a dupla Jane Pollard e Iain Forsyth combina fantasia e realidade, privado e público, num dia ficcionado, capturando a história de vida deste músico. Algumas cenas dramatizadas - como uma conversa com o psicanalista acerca da sua infância, ou um arquivista a às voltas com as fotografias dos tempos selvagens de Nick Cave – cruzam-se com imagens de ensaios e gravações em estúdio e com testemunhos de outros artistas que colaboraram com Cave, como Blixa Bargeld ou Kylie Minogue.

A Viagem a Itália (2014)
The Trip to Italy
Dois homens, seis refeições em seis locais diferentes numa viagem de carro por Itália: Ligúria, Toscana, Roma, Amalfi e a terminar em Capri. O The Observer pediu a Rob e Steve que fizessem uma série de críticas a restaurantes. Eles falam da vida, do amor, do trabalho e do exílio. Discutem Byron e Shelley, poetas românticos cujas vidas foram definidas pelo tempo que passaram em Itália. Acompanhamos a viagem em que eles embarcam, os hotéis onde ficam, os restaurantes onde comem, as cozinhas e os chefs, e depois a conta no fim.

Campo de Flamingos sem Flamingos (2013)
Os cinco elementos Japoneses são, por ordem de importância: Terra, Água, Fogo, Vento e Vazio. Pessoas e animais estão lado a lado num jogo muito antigo. Há o dia e a noite. Tudo existe simultaneamente. Uma viagem pelas fronteiras Portuguesas.

Sandra vê o emprego ameaçado quando os seus empregadores decidem oferecer um prémio aos restantes trabalhadores se eles votarem para que ela não regresse ao emprego. Com a ajuda do marido, Sandra tem apenas o fim-de-semana para visitar os colegas e convencê-los a abdicarem dos seus prémios para que ela possa voltar ao emprego.

Serena (2014)
Situado nas montanhas da Carolina do Norte na década de 1920, Serena conta a história de amor entre George Pemberton (Bradley Cooper) e a sua mulher Serena (Jennifer Lawrence), uma estreante no mundo dos negócios da exploração da terra e da madeira. A força e capacidade de liderança de Serena surpreende os trabalhadores e as ambições que ela tem sobre o crescimento da empresa aumentam à medida que se prepara para lutar contra o governo para manter as suas terras em vez de as vender para os Parques Nacionais. Mas a tragédia atinge este casal depois de Serena sofrer um aborto e descobrir que não pode mais ter filhos. Esta condição faz com que não consiga suportar a ideia do filho ilegítimo que o seu marido teve de uma relação anterior e acaba por contratar um dos funcionários para assassinar o filho antes de estes se conhecerem.

Quando Katniss (Jennifer Lawrence) destrói os jogos, ela é levada para o Distrito 13, depois do Distrito 12 ser destruído. Ali, conhece a Presidente Coin (Julianne Moore), que a convence a ser o símbolo da rebelião, enquanto tenta salvar Peeta (Josh Hutcherson) do Capitólio.

Crítica: The Hunger Games: A Revolta - Parte 1 / The Hunger Games: Mockingjay - Part 1 (2014)

*6.5/10*

Começou a Guerra. Chegou o terceiro e penúltimo filme da saga The Hunger Games e a fasquia alta deixada pelo segundo capítulo desce agora consideravelmente com The Hunger Games: A Revolta - Parte 1. O ritmo abranda, mas os ânimos continuam exaltados e a revolta começou sob o contra-ataque - como sempre - cruel do Capitólio. Francis Lawrence traz a força de Katniss Everdeen de volta para agrado dos fãs que aguardarão com entusiasmo o capítulo final desta saga.

Encaremos este mais ou menos tranquilo primeiro capítulo de The Hunger Games - A Revolta como a estratégia de preparação para a Guerra aberta propriamente dita - apesar da mesma ter início, sem qualquer dúvida, neste filme. O foco agora é a promoção, o marketing em volta da revolta dos distritos contra o Capitólio. O importante aqui é motivá-los, fazê-los acreditar na possibilidade de vitória através de uma "imagem de marca": o mimo-gaio Katniss Everdeen. Será ela e os que a rodeiam e apoiam os principais alvos a abater pelos vilões da história.

Quando Katniss (Jennifer Lawrence) destrói os jogos, ela é levada para o Distrito 13, depois do Distrito 12 ser destruído. Ali, conhece a Presidente Coin (Julianne Moore), que a convence a ser o símbolo da rebelião, enquanto tenta salvar Peeta (Josh Hutcherson) do Capitólio.


Francis Lawrence surpreendeu pela positiva no segundo filme da saga: as emoções ficaram ao rubro, o público sofreu com as personagens. Agora, perto do fim, os ânimos abrandam para preparar toda uma estratégia de como convencer e motivar as massas, onde a televisão volta a ter um papel importante, sendo o único meio de contactar todos os Distritos e uni-los - aqui, a presença da equipa de filmagens, liderada pela realizadora Cressida (aplausos para a decidida e corajosa Natalie Dormer, numa personagem algo diferente do habitual e com visual a condizer), que acompanha Katniss até nos cenários de guerra, é de extrema importância. O tom opressivo reina, como sempre, com ataques grotescos e impiedosos a marcar este início da Guerra, e com a ideia de tortura por parte do Capitólio sempre a pairar e a semear o medo e o terror.

Lê a crítica completa no Espalha-Factos: "The Hunger Games: A Revolta – Parte 1: A Esperança no Mimo-Gaio"

terça-feira, 18 de Novembro de 2014

Festa do Cinema Romeno'14: Dupa revolutie / After the Revolution (2010)

*7.5/10*

A Festa do Cinema Romeno começa amanhã na Culturgest e prolonga-se até dia 23 de Novembro com muito cinema e convidados de honra. Entre as longas-metragens a que podemos assistir está o documentário Dupa Revolutie.


Laurenţiu Calciu tomou as rédeas de Dupa Revolutie e oferece-nos um interessante registo histórico, que vale a pena conhecer, de uma Roménia logo depois da revolução - como o título indica. Curioso por natureza, o realizador pegou na câmara de filmar e foi para as ruas de Bucareste atrás da revolução, em 1989. O que ele viu está neste filme: a população discute furiosamente, por vezes de forma menos coerente, qual será o futuro da Roménia. 

Calciu coloca-nos no centro das emoções, das discussões, das ideias díspares - algumas com pouco sentido - de um povo que se viu livre após mais de 40 anos de ditadura. A desconfiança da população - será que aquele homem, que ninguém sabe quem é, é um infiltrado da Frente de Salvação Nacional? -, os exilados do regime que agora regressam, as opiniões que se discutem de forma acesa em plena rua e que não levam muito longe... acompanhamos ainda alguns candidatos às eleições, conferências de imprensa e mesmo o acto eleitoral e todas as peripécias menos legais que aconteceram.

Através dos rostos e palavras daqueles romenos que celebram e debatem o seu próprio futuro nas ruas, dos jornalistas e dos discursos dos políticos, conseguimos criar um retrato histórico marcante e único de um momento fundamental para um país que tanto mudou nas últimas duas décadas e, acima de tudo, entramos e envolvemo-nos no coração da revolução romena.

Dupa Revolutie é exibido no dia 20 de Novembro, pelas 18h45. O realizador Laurenţiu Calciu estará presente na sessão para partilhar a sua visão desta revolta que mudou a história da Roménia.

Sugestão da Semana #142

Das estreias da passada Quinta-feira, a Sugestão da Semana recai sobre Nightcrawler - Repórter na Noite, de Dan Gilroy e com Jake Gyllenhaal num arrepiante papel. A crítica do Hoje Vi(vi) um Filme pode ser lida ou relida aqui.

NIGHTCRAWLER - REPÓRTER NA NOITE


Ficha Técnica:
Título Original: Nightcrawler
Realizador: Dan Gilroy
Actores: Jake Gyllenhaal, Rene Russo, Bill Paxton, Riz Ahmed
Género: Crime, Drama, Thriller
Classificação: M/14
Duração: 117 minutos

LEFFEST'14: Dois Dias, Uma Noite / Deux Jours, Une Nuit (2014)

*7/10*

Passou pelo LEFFEST'14 e estreia também esta semana nas salas de cinema portuguesas, Dois Dias, Uma Noite é o mais recente filme dos irmãos Dardenne, protagonizado por Marion Cotillard.

A actriz francesa interpreta Sandra, cujo emprego é ameaçado quando os seus empregadores decidem oferecer um prémio aos restantes trabalhadores se eles votarem para que Sandra não regresse ao emprego. Com a ajuda do marido, Sandra tem apenas o fim-de-semana para visitar os colegas e convencê-los a abdicarem dos seus prémios para que ela possa voltar ao emprego.

Dois Dias, Uma Noite é realismo cinematográfico puro, repleto de simplicidade, mas que coloca um dilema muito real ao espectador: escolher entre um bónus no ordenado ou o despedimento de uma colega, em tempos de crise. Vamos seguir Sandra e torcer por ela, ainda que, por outro lado, estejamos tão divididos como os seus colegas de trabalho, ponderando os prós e contras de cada decisão, e conhecendo - apenas em dois dias e uma noite - a protagonista, ela mesma atormentada por uma depressão ainda longe de estar curada.


Marion Cotillard oferece-nos uma interessante interpretação numa personagem frágil (também fisicamente), com problemas psicológicos e numa luta aguerrida - mesmo que com algumas desistências pelo meio - pelo seu posto de trabalho, algo que ainda lhe poderia dar alguma esperança. Vamos querer apoiar Sandra, mas vamos igualmente ficar apreensivos ao verificar que o seu estado de saúde é inconstante e muito preocupante.

Jean-Pierre e Luc Dardenne construíram um trabalho cujo maior trunfo é o dilema que coloca directamente ao espectador que balança entre o bónus e o despedimento, do início ao fim de Dois Dias, Uma Noite.

segunda-feira, 17 de Novembro de 2014

LEFFEST'14: Vencedores

O Lisbon & Estoril Film Festival 2014 terminou este domingo (mas os posts por aqui ainda vão continuar) e o júri desta edição (composto por Nan Goldin, Dimítris Dimitriádis, Dorota Maslowska, Philippe Parreno e Francisco Tropa) atribuiu os seguintes prémios:


Prémio Melhor Filme Jaeger-LeCoultre
Amour Fou, de Jessica Hausner

Prémio Especial do Júri João Bénard da Costa
Phoenix, de Christian Petzold

Prémio Revelação TAP
Heaven Knows What, de Joshua e Ben Safdie

Prémio Melhor Actriz Nespresso
Ingrid García Johnsson (Hermosa Juventud)

O júri do Prémio MEO (Peter Handke, Birgit Hutter e Dulce Maria Cardoso), que premeia o trabalho dos alunos das Escolas de Cinema Europeias, escolheu em ex-aequo os seguintes filmes:

Para pero Sigue, de Lud Monaco (Escuela de Cine Barcelona - Espanha)
Paul e Virginie, de Paul Cartron (Institut des Arts de Diffusion – Bélgica)

Menções Honrosas
Poço das Almas, de Filipa Pinto (Escola Superior de Teatro e Cinema - Portugal)

Saba, de Sara Santos (Escola Superior de Tecnologia de Abrantes - Portugal)

Do Outro Lado, de Artur Maurício (ETIC - Portugal)

Prémio CINEUROPA
Angels of Revolution, de Aleksej Fedorchenko

Estreias da Semana #142

Foram sete os filmes que estrearam na passada Quinta-feira em Portugal. Get On Up - A História de James BrownJohn Wick e Nightcrawler - Repórter na Noite (que já tem crítica no Hoje Vi(vi) um Filme) são alguns dos títulos que já estão nas salas de cinema.

De Qualquer Lugar (2013)
Né quelque part
Farid, um jovem francês de 26 anos, deve ir para a Argélia salvar a casa do pai. Descobre então o país onde nunca tinha estado, e fica apaixonado pelo charme de um conjunto de personagens fantásticos cujo humor e simplicidade o vão tocar profundamente. No meio deles, um primo, um jovem cheio de vida e desenrascado que alimenta o sonho de conseguir ir para França.

Deixa o Amor Entrar (2014)
Love, Rosie
Rosie e Alex são os melhores amigos desde os cinco anos, portanto, parecia impossível tornarem-se namorados. No que diz respeito ao amor, à vida e em tomar decisões acertadas, estes dois são os piores inimigos de si próprios. Aos 18 anos deixam passar a oportunidade e a vida troca-lhes as voltas, deixando-os separados por um oceano. Mas nem o tempo, nem o espaço entre dois continentes, consegue desfazer o elo que os liga – mesmo apesar das gravidezes indesejadas, casos amorosos desastrosos, casamentos, infidelidades e divórcios que acontecem pelo meio.

Get on Up - A História de James Brown (2014)
Get on Up
Baseado na história de vida do Padrinho do Soul, o filme revela  um olhar destemido sobre a música, os movimentos e os estados de espírito de James Brown,  conduzindo o espectador na viagem desde a pobre infância à sua evolução numa das figuras mais  influentes do século XX. 

John Wick (2014)
Quando um assassino profissional, já retirado, é forçado a regressar à acção por um gangster russo, caça os seus adversários da forma impiedosa que o tornou uma lenda do mundo do crime.

Lou Bloom (Jake Gyllenhaal) é um homem ambicioso desesperado por conseguir trabalho, que descobre, por acaso, o mundo do crime de Los Angeles. Quando encontra um grupo de freelancers que filmam acidentes, incêndios, assassinatos e outros casos de polícia, Lou entra na mesma perigosa actividade. Ao ver em Nina (Rene Russo), uma veterana do jornalismo sensacionalista de uma televisão local, uma aliada, após uns primeiros trabalhos bem sucedidos, Lou ultrapassa a barreira do observador ao tornar-se protagonista da sua própria história.

Pontes de Sarajevo (2014)
Les Ponts de Sarajevo
No ano em que se celebra o centenário do assassinato do Arquiduque Francisco Fernando, que deu origem à I Guerra Mundial, 13 cineastas europeus pensam Sarajevo, e o que a cidade representou para a história europeia dos últimos 100 anos. Todos eles realizadores proeminentes, de diferentes origens e gerações, oferecem estilos e visões singulares sobre a cidade, o velho continente, os fantasmas do passado e o seu reflexo no presente.

The Deep - Sobrevivente (2012)
Djúpið
Baseado em factos reais, The Deep - Sobrevivente conta a história de um pescador que sobrevive a um naufrágio nas gélidas águas da costa islandesa. O facto despertou a curiosidade de equipas médicas de todo o mundo uma vez que até à data nenhum ser-humano resistiu a condições tão austeras.

sábado, 15 de Novembro de 2014

LEFFEST'14: Hill of Freedom / Jayuui Eondeok (2014)

*6/10*

Hill of Freedom, de Hong Sang-Soo, faz parte da Competição do Lisbon & Estoril Film Festival'14. De um dos realizadores mais sonantes da secção competitiva, o filme apresenta-nos um romance tragicómico contado de forma original.


Kwon, uma professora de línguas, recebe um volumoso envelope que lhe está endereçado, após uma temporada longe de casa. Um instrutor japonês chamado Mori tinha-se declarado a ela há dois anos. Mori tinha partido imediatamente para o Japão, mas agora regressou à Coreia do Sul para a procurar. O envelope continha cartas que ele lhe tinha escrito enquanto a procurava em Seul. Depois de Kwon acabar de ler a primeira carta na recepção, perde o equilíbrio ao descer as escadas e deixa cair as cartas. Reúne-as no chão e repara que estas não têm datas.

O grande ponto forte de Hill of Freedom prende-se com a (des)ordem em que as carta de Mori foram recolhidas do chão, é essa mesma ordem que dita a montagem da longa-metragem de Hong Sang-Soo e, por conseguinte, o modo como toda a estadia de Mori em Seul nos é contada - a nós e a Kwon. À parte do que lemos nas cartas, conhecemos pouco do passado dos dois, o que os uniu, o que aconteceu entre ambos, o que levou Mori a regressar ao Japão e que doença levou Kwon para as montanhas.

Sang-Soo consegue, por momentos, aproximar-nos do espaço da acção e das personagens com planos que lembram um estilo documental. Ainda assim, não fosse a curiosidade da montagem e alguns bons momentos de humor, Hill of Freedom não teria nada que realmente o tornasse especial. 

O filme repete este Sábado às 13h00 no Centro de Congressos do Estoril.