terça-feira, 19 de maio de 2015

Sessão especial de Deus Branco leva donos e cães aos cinema

A primeira sessão solidária de cinema para cães e donos acontece já no dia 26 de Maio, pelas 21h00, na LX Factory, em Lisboa, com o filme Deus Branco, de Kornél Mundruczó. A SOS Animal, a Animais de Rua, a Change for Animals Foundation, a LX Factory e a Alambique juntam-se para esta iniciativa.


Deus Branco tem estreia marcada nos cinemas a 28 de Maio e foi apresentado no Festival de Cannes onde venceu a Dog Palm. Trata-se de um conto premonitório sobre as relações entre uma espécie superior e o seu inferior caído em desgraça. O filme acompanha Lili, de 13 anos, e o seu cão Hagen, em Budapeste, após uma medida aparentemente inofensiva com vista a disciplinar a criação de cães. Favorecendo os cães com pedigree, as novas regras vão impor, pouco a pouco, multas às raças mistas e dar origem a uma série de acontecimentos extraordinários. Rapidamente, os donos começam a abandonar os seus rafeiros e os canis ficam sobrelotados. Lili luta para salvar o Hagen.

Realizado sem efeitos especiais, Deus Branco contou com a participação de 274 cães de canis húngaros que beneficiaram de um verdadeiro trabalho de treino para as filmagens. Para o realizador, “trabalhar com cães foi uma experiência terapêutica. Foi um processo de rodagem onde tivemos de ser nós a ajustar-nos a eles e não ao contrário. É um exemplo notável da cooperação singular possível entre duas espécies.” Depois do fim da rodagem, um programa especial de adopção permitiu encontrar novos lares para todos os cães.

Para esta sessão especial em Lisboa, a venda de bilhetes será feita no próprio dia, no local de exibição, a partir das 20h00, e terá um custo de 5 euros. Cada bilhete permitirá a entrada de um cão, desde que o animal seja sociável (com pessoas e outros cães), que não tenha fobias ao escuro e a barulhos, e cujo tutor assegure que estará tranquilo na sala durante toda a exibição do filme (cerca de 2 horas). Serão disponibilizados 50 bilhetes especiais (10 euros), que darão direito ao cartaz do filme.

As receitas da bilheteira revertem inteiramente para a SOS Animal, para a Animais de Rua e para a Change for Animals Foundation.

Mais informações sobre o filme em http://alambique.pt/filme/deus-branco.

Sugestão da Semana #168

Das estreias da passada Quinta-feira, um destaque a dobrar e para gostos bem diferentes aqui no Hoje Vi(vi) um Filme. A Sugestão da Semana recai então sobre É Difícil Ser um Deus e Mad Max: Estrada da Fúria.

É DIFÍCIL SER UM DEUS


Ficha Técnica:
Título Original: Trudno byt bogom
Realizador: Aleksey German
Actores: Gali Abaydulov, Yuriy Ashikhmin, Remigijus Bilinskas
Género: Drama, Ficção Científica
Classificação: M/16
Duração: 170 minutos



MAD MAX: ESTRADA DA FÚRIA


Ficha Técnica:
Título Original: Mad Max: Fury Road
Realizador: George Miller
Actores: Tom Hardy, Charlize Theron, Nicholas Hoult
Género: Acção, Aventura, Ficção Científica
Classificação: M/14
Duração: 120 minutos

sábado, 16 de maio de 2015

Estreias da Semana #168

Esta Quinta-feira, e no rescaldo da Festa do Cinema, chegaram às salas nacionais nove filmes. O regresso às salas de três longas-metragens de Paulo Rocha (Os Verdes Anos e Mudar de Vida em versões digitais restauradas) e Mad Max: Estrada da Fúria marcam a semana.

Bobô (2013)
Sofia vive isolada num velho apartamento de família onde até o pó parece ser preservado. A pedido da sua mãe chega Mariama, uma jovem guineense, para ajudar a cuidar da casa e do seu filho. Mas onde está este filho que nunca vemos? Bobô, irmã mais nova de Mariama, vai despertar em Sofia uma vontade de sair do casulo. Atrás do seu sorriso confiante, Mariama atormenta-se com a ameaça da mutilação genital feminina a que Bobô está prestes a ser submetida… O encontro entre Sofia e Mariama fá-las confrontarem-se com os seus fantasmas.

Chique! (2015)
Chic!
O luxo, a moda, o estilo, os perfumes: a excelência francesa e muito mais, parisiense. Neste filme, o ambiente de vida sofisticado e atribulado desta movimentada comédia irá conduzir-nos através de dois mundos opostos. Fraquezas, paixões, confrontos, sinceridade, afinidades e muitos mais são os aspectos pelos quais se regem os protagonistas da história.

É Difícil Ser Um Deus (2013)
Trudno Byt Bogom
É difícil ser um deus: sobretudo se cairmos, como extraterrestres, num planeta igual à Terra, e formos aclamados como divindades num tempo vivido há 800 anos. O filme pega num livro de Arkady e Boris Strugatsky e no conflito entre dois mundos – o conhecimento de toda uma evolução cognitiva e o desejo de a impor no tempo das trevas – para servir de estudo sobre a natureza humana. Planeado durante quatro décadas, o último filme do realizador russo Aleksei German foi terminado, depois da sua morte em 2013, pelo seu filho e realizador Aleksei German Jr

Mad Max: Estrada da Fúria (2015)
Mad Max: Fury Road
Perseguido pelo seu turbulento passado, Mad Max acredita que a melhor forma de sobreviver é não depender de mais ninguém para além de si próprio. Ainda assim, acaba por se juntar a um grupo de rebeldes que atravessa a Wasteland, numa máquina de guerra conduzida por uma Imperatriz de elite, Furiosa. Este bando está em fuga de uma cidadela tiranizada por Immortan Joe, a quem algo insubstituível foi roubado. Exasperado com a sua perda, o Senhor da Guerra reúne o seu letal gang e inicia uma impiedosa perseguição aos rebeldes e a mais implacável Guerra na Estrada de sempre.

Mudar de Vida (versão digital restaurada) (1967)
Uma praia de pescadores, o mar que a pouco e pouco vai conquistando a terra. A luta do homem com o mar e sobretudo a luta entre a tradição e o progresso. No centro do drama estão as relações sentimentais, difíceis e quase absurdas que unem um pescador, Adelino, de regresso da guerra de África, e duas mulheres, Júlia, uma mulher do mar (à moda antiga), e Albertina, uma operária misteriosa e selvagem. Voltando do Ultramar, Adelino encontra Júlia, a sua antiga namorada, casada com o seu irmão. O drama surge…

O Sapateiro Mágico (2014)
The Cobbler
Um solitário sapateiro de Nova Iorque (Adam Sandler) costuma arranjar os sapatos de clientes experientes na arte de viver. Juntamente com o seu amigo barbeiro (Steve Buscemi), espera ansiosamente por ter a sua própria aventura, mas enquanto isso não acontece vê a sua vida passar diante dos seus olhos sem conseguir fazer nada. Quando recebe uma generosa herança de família, surge a possibilidade deste sapateiro assumir outro papel e ver o mundo de uma forma diferente.

Os Verdes Anos (versão digital restaurada) (1963)
Um rapaz de 19 anos, Júlio, vem para Lisboa a fim de tentar a sua sorte como sapateiro. No dia em que chega à capital, um acidente fá-lo conhecer Ilda, uma rapariga da mesma idade, empregada doméstica num prédio perto do local de trabalho de Júlio.

Prisioneira (2014)
The Captive
A adolescente Cassandra (Alexia Fast) está presa contra a sua vontade, incapaz de comunicar à sua família que está viva. Oito anos antes, quando Cass tinha apenas nove anos e foi raptada da carrinha do pai, Matthew (Ryan Reynolds), ele contactou de imediato as autoridades que o viram como o principal suspeito. Hoje, o casamento de Matthew deteriorou-se e este continua a ser investigado pela polícia, que tenta decifrar o problema mas sem conseguir levar as pistas a algum sítio conclusivo. O tempo passou, mas quase nada mudou, e caberá a Mathew e à própria Cassandra reparar a distância que se instalou na família.

Se Eu Fosse Ladrão Roubava (2013)
Estamos nos anos vinte, um pequeno lavrador de S. Vicente vê o seu pai morrer com a peste que dizima o país. Alguns anos mais tarde, de todos os irmãos, Vitalino é o mais aguerrido e toma o lugar de homem da casa. Mas a aldeia onde vive é demasiado pequena para as suas aspirações, e decide rumar ao Brasil deixando as suas irmãs encarregues dos trabalhos da casa. Em paralelismo com a história de Vitalino entramos no mundo cinematográfico de Paulo Rocha, percorrendo os seus filmes e fantasmas ao longo destes anos. 

terça-feira, 12 de maio de 2015

IndieLisboa'15: Novíssimos Curtas 1 e 2

Para concluir, e ainda falando de curta-metragens portuguesas no IndieLisboa, não deixaremos de analisar as seleccionadas da secção Novíssimos. Boas surpresas na secção que pretende dar visibilidade aos novos talentos nacionais da realização.

Swallows - 7.5/10
Sofia Bost trouxe uma boa surpresa à secção Novíssimos. Swallows passa-se em Londres, onde uma jovem portuguesa vive na esperança de uma vida melhor num país e numa casa que não são seus, longe dos laços que deixou em Portugal.

A realizadora traz-nos uma história simples, protagonizada por Teresa Tavares, bem filmada e onde a campainha que não pára de tocar é o elemento chave para tornar o todo mais especial e prender as atenções. Swallows tem ritmo e a sua história banal flui e funciona graças ao realismo e ao espírito subtilmente positivo que traz consigo.

Meeting Point - 5.5/10
Londres regressa aos Novíssimos com Meeting Point, de Miguel Rato. A capital inglesa serve para um encontro entre a cidade real e a cidade imaginada.

Às fotografias e miniaturas, junta-se a cidade desejada, os seus jardins, prédios e pessoas nos seus afazeres diários ou em lazer. O realizador joga com as imagens e cria simulações.

A Rapariga de Berlim - 6/10
A curta-metragem vencedora do Novíssimos, A Rapariga de Berlim, de Bruno Freitas Leal, traz-nos uma história de reencontros e ausências, tendo Lisboa como pano de fundo.

Ela regressa de Berlim, para uma relação que parece estagnada. A curta-metragem vive de silêncios e a sua história não avança muito, tal como a relação do casal que vemos no ecrã. O realizador oferece-nos planos interessantes que nos envolvem com a protagonista e nos fazem entender as suas hesitações e receios.

A Rapariga Ideal - 7/10
Mariana Trigo Pereira traz as memórias de juventude de duas mulheres que cresceram na Mocidade Portuguesa, à imagem do regime, com A Rapariga Ideal. A realizadora dedica o seu documentário às duas protagonistas, as suas avós. Entre recordações e algumas imagens antigas, surgem-nos as duas mulheres deste filme. A Mocidade Portuguesa fez parte da sua juventude, as suas fardas, os seus pontos fracos ou fortes. Estas duas avós contam-nos tudo. Por um lado, temos quem gostou da experiência e do que aprendiam por lá (entre cozinhar, ginástica, etc.), por outro, temos quem sofreu a mudança de frequentar um liceu misto e passar, de repente, para uma escola apenas com meninas.

Numa segunda parte da curta-metragem, e tendo em conta que na Mocidade Portuguesa as mulheres eram educadas para serem uma espécie de "Rapariga Ideal" (não faltavam aulas de economia doméstica, por exemplo), a realizadora desafia as avós a responderem a algumas questões de acordo com as respostas que dariam na altura dos seus 18 anos. Um exercício curioso e intimo, onde uma parte da História do país nos é contada por quem a viveu.

Logística - 5/10
Logística, de Miguel Tavares, faz o retrato de um jovem grupo de amizades marcado por uma ida para outro país. A imigração e a procura por uma vida melhor estão em jogo nesta curta.

Um super-mercado é o cenário de encontros e reencontros deste grupo de amigos, onde as cores vivas, a banda sonora inicial e os planos de câmara se revelam interessantes. A chegada de um amigo que esteve em Berlim coloca dúvidas e divide o grupo. O argumento poderia ter oferecido um desfecho mais emocionante para a curta.

Mapa Museu - 6.5/10
Com Mapa Museu, Nuno Lacerda desconstrói o espaço arquitectónico do CCB para criar uma espécie de puzzle cinematográfico. Com a mistura dos vários planos do seu filme no ecrã, qual quadro de Picasso no cinema, o realizador desafia-nos a seguir e procurar o nosso protagonista na sua visita ao museu.

Mapa Museu é uma experiência divertida e original de desconstrução cinematográfica, que peca apenas pela duração, que se estende em demasia.

A Última Noite - 6/10
Em A Última Noite, de Joana Reis, um jovem faz uma última ronda antes de abandonar o colégio interno onde viveu metade da sua vida. Nesta curta-metragem simples mas emotiva, a mudança serve de mote para o dia seguinte.

A dificuldade que um adolescente sente em deixar a segunda família, após sete anos a viver num colégio interno. No ar encontramos a despedida do espaço, o que fica por dizer e o medo da mudança.

Cavern Club - 8.5/10
O bar de estreia dos Beatles empresta o seu nome a Cavern Club, de Gonçalo Soares, que nos faz entrar na vida e nos dilemas de um montador perdido entre uma Lisboa turística, uma precária indústria de cinema, e manifestações de uma geração sem futuro. Este é o mote para a curta mais longa da secção Novíssimos.

Com um argumento mordaz e inteligente, Cavern Club apresenta-nos um protagonista, Luís, que não se identifica com o que o rodeia, vive num mundo à parte, é quase uma personagem de anime - facto que o nosso narrador japonês faz intensificar mais ainda - acabada de aterrar num Portugal ele mesmo perdido. Vagueando entre a realidade e a imaginação - e o nosso protagonista tem-na de sobra -, entre a cidade barulhenta e o retorno às origens, vamo-nos cruzando com as personagens mais caricatas e entrando nos sonhos mais divertidos de Luís. Tecnicamente, encontramos um bom trabalho de fotografia, planos bem construídos e um estilo muito próprio. Com este filme, o realizador deixa involuntariamente no ar um aviso: Gonçalo Soares é, sem dúvida, um nome a reter.

As Mil e Uma Noites de Miguel Gomes já tem trailer

O novo filme de Miguel Gomes, As Mil e Uma Noites está prestes a estrear na Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes - é já no dia 16 de Maio - e já podemos assistir ao seu trailer. Depois de filmes como Tabu ou Aquele Querido Mês de Agosto, a expectativa é alta em torno deste novo trabalho. As Mil e Uma Noites estará dividido em três volumes: O Inquieto, O Desolado e O Encantado.


A estreia em Portugal está prevista para Setembro. Para já, contentemo-nos com este trailer.

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Sugestão da Semana #167

Das estreias da passada Quinta-feira, a Sugestão da Semana destaca o documentário Pára-me de Repente o Pensamento, de Jorge Pelicano, que já tem crítica no Hoje Vi(vi) um Filme.

PÁRA-ME DE REPENTE O PENSAMENTO


Ficha Técnica:
Título Original: Pára-me de Repente o Pensamento
Realizador: Jorge Pelicano
Actores: Miguel Borges
Género: Documentário, Drama
Classificação: M/14
Duração: 101 minutos

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Estreias da Semana #167

Nove filmes chegaram aos cinemas portugueses esta Quinta-feira. Força Maior, Pára-me de Repente o Pensamento e Perseguição Escaldante são alguns dos títulos a estrear.

A Humilhação (2014)
The Humbling
Simon Axler (Al Pacino) é um famoso actor de teatro que se torna deprimido e desenvolve pensamentos suicidas quando, repentina e inexplicavelmente, perde o dom da representação. Numa tentativa de recuperar o talento, Axler envolve-se emocionalmente com Pegeen (Greta Gerwig), uma mulher lésbica com metade da sua idade. Em pouco tempo, o caos invade a relação quando algumas pessoas do passado de ambos reaparecem nas suas vidas.

A Maldição de Michael King (2014)
The Possession of Michael King
Michael King (Shane Johnson) não acredita nem em Deus, nem no Diabo. No seguimento da morte inesperada da sua mulher, o realizador de documentários decide dedicar o seu próximo filme à procura da existência do sobrenatural. Michael decide fazer de si próprio o centro da experiência – permitindo que adoradores do diabo, necromantes e outros praticantes do oculto lancem, sobre si, feitiços e rituais poderosos e negros – na esperança de que, ao falharem, ele, de uma vez por todas, teria a prova de que a religião, o espiritualismo e o paranormal são, nada mais, do que um mito. No entanto, algo acontece.

Ao Som da Vida (2014)
Rudderless
Sam, um executivo publicitário de sucesso, entra em colapso e fica à deriva após a morte inesperada do seu filho. Ancorado no seu veleiro, Sam definha enquanto afoga a dor em álcool. Um dia, descobre uma caixa do seu filho cheia de letras e demos musicais. O talento que descobre é para Sam uma revelação chocante. Dedica-se então a aprender cada canção, até ao momento que encontra coragem para tocar num bar. Entretanto, Quentin, um jovem músico que assiste à actuação, fica cativado pelo que ouve e acaba por convidá-lo a formar uma banda.

Força Maior (2014)
Turist
Uma família sueca viaja para os Alpes Franceses para desfrutar de uns dias de esqui. O sol brilha e as pistas estão espectaculares, mas durante o almoço num restaurante na montanha, uma avalanche vai provocar o caos. Com os comensais a fugir em todas as direcções, a mãe Ebba chama pelo seu marido Tomas, enquanto tenta proteger os seus filhos. Tomas, entretanto, está a fugir para se salvar…

Nos Jardins do Rei (2014)
A Little Chaos
O ano é 1682. Sabine De Barra (Kate Winslet), uma decidida e talentosa arquitecta paisagista, realiza a sua vocação nos jardins da província de França. Um dia, chega-lhe um convite inesperado: Sabine está na lista para um contrato com a corte do Rei Louis XIV (Alan Rickman). Quando a conhece, o reputado artista paisagista do Rei, André Le Notre (Matthias Schoenaerts) fica inicialmente perturbado com o olhar distinto de Sabine e com a sua natureza progressista, mas acaba por a escolher para desenhar um dos principais jardins do novo palácio do Rei Sol, em Versalhes. Sob a pressão do tempo e com um ritmo e estilo muito próprios, Le Notre reconhece aos poucos o valor de “um pequeno caos” no processo criativo de Sabine.

Os Últimos Cavaleiros (2015)
Last Knights
Bartok (Morgan Freeman) é um nobre desonrado, por não aceitar participar na corrupção e no suborno que grassa no império, e é morto. O código dos cavaleiros exige dedicação a toda a prova e Raiden (Clive Owen), um dos últimos cavaleiros que respeita o código, dá a própria vida para recuperar a honra do seu senhor. Raiden será colocado muitas vezes entre a espada e a parede, e forçado a decidir entre o código de honra e a sobrevivência. 

Em Pára-me de Repente o Pensamento, entramos numa viagem ao Centro Hospitalar Conde Ferreira, um hospital psiquiátrico no Porto, e partilhamos momentos com os seus doentes, que vagueiam pelos corredores entre cafés e cigarros, terapias que apelam aos sentidos e às emoções e rotinas que os puxam para a realidade. Do mundo exterior, chegamos nós, que assistimos, e o actor Miguel Borges, que ali procura a sua personagem para uma peça de teatro de comemoração dos 131 anos do Hospital, inaugurado a 24 de Março de 1883.

Perseguição Escaldante (2015)
Hot Pursuit
Em Perseguição Escaldante, uma polícia rígida e cumpridora das regras (Witherspoon) tenta proteger a viúva de um traficante de droga (Vergara), uma mulher sensual e extrovertida, enquanto atravessam o Texas sendo perseguidas por polícias corruptos e perigosos assassinos.

Uma Aldeia Quase Perfeita (2015)
Un Village Presque Parfait
Saint-Far-la-Mauderne é uma pequena aldeia duramente atingida pela crise e pela desertificação. A sua última esperança é ressuscitar a fábrica de fumar salmão. O único problema é que as companhias de seguros exigem a presença de um médico residente. O último médico das redondezas reformou-se há mais de cinco anos e nunca encontraram um substituto. Com a liderança do brusco mas carismático presidente da junta, as pessoas vão fazer tudo para convencer Maxime Meyer, um médico parisiense, de que Saint-Far-la-Mauderne é o melhor lugar do mundo para viver!

IndieLisboa'15: Competição Nacional de Curtas 3 e 4

Concluímos a análise da Competição Nacional de Curtas-metragens do IndieLisboa'15 com os filmes das sessões 3 e 4.

The Last Analog Tree - 7/10
A curta-metragem The Last Analog Tree, de Jorge Pelicano, joga com a perspectiva daquele que filma e de quem é filmado no plano da natureza – campo de trabalho do realizador.

Um trabalho simples, mas curioso e inteligente, que mostra a interacção entre o Homem, a Natureza e o filme.

Othon - 6.5/10
Guillaume Pazat e Martim Ramos trouxeram ao IndieLisboa o seu Othon, onde nos conduzem pelo antigo hotel Othon Palace, em São Paulo, para filmar a entrada de famílias de ocupantes de uma sociedade à espera de acontecer.

Subimos os mais de 20 andares deste hotel abandonado e acompanhamos os seus novos moradores, que nos contam os seus dramas, dificuldades e reclamam o direito a um tecto. Encontramos antigos moradores de rua, favelas ou barracas, e seguimos os seus primeiros tempos no Othon, entre a batalha diária pela água que têm de trazer de fora do edifício, as muitas escadas que têm de subir e descer, sem elevador, e a sua rotina diária. Othon revela-se mais um trabalho de denúncia e crítica às injustiças no Brasil.

Provas, Exorcismos - 6/10
Provas, Exorcismos, de Susana Nobre, vai passar na Quinzena dos Realizadores em Cannes e fez parte da Competição Nacional de Curtas do IndieLisboa. A realizadora oferece um olhar fictício, de influência documental, sobre o desemprego e uma terra tocada pelo falhanço da política.

Alhandra serve de palco a esta história simples onde uma fábrica encerra e despede os seus trabalhadores - que podia ser outra fábrica em outra cidade do país. Entre o desespero de uns e a inconformidade de outros, o argumento é já muito visto mas uma mensagem de esperança é subtilmente deixada no ar.

Despedida - 7/10
Tiago Rosa-Rosso duplica a sua presença na Competição Nacional de Curtas com Despedida, uma espécie de jogo de absurdo, no último dia de praia, a partir das referências da infância e do humor nos códigos de comunicação da amizade masculina.

Enquanto um dos rapazes sustém a respiração, os outros dois jogam, brincam e relembram bandas sonoras que ficam para sempre na memória. Despedida é um filme simples, divertido e eficaz.

This Particular Nowhere - Parte I - Some of Wigner's Friends - 7/10
This Particular Nowhere – Part I – Some of Wigner’s Friends, de Rita Macedo, revela-se uma interessante experiência sensorial. A curta-metragem experimental tem o físico Eugene Wigner como inspiração, resultando num ensaio sobre o caminho da existência para a escuridão.

O "universo" estrelado inicial traz-nos surpresas: cabeças giratórias são estrelas neste filme de Rita Macedo, um trabalho que nos transporta para uma outra dimensão, repleta de tranquilidade.

Fora da Vida - 7/10
Foi o vencedor da Competição Nacional de Curtas desta edição do IndieLisboa'15, Fora da Vida, de Filipa Reis e João Miller Guerra, entra na realidade dos subúrbios de Lisboa, dando continuidade ao trabalho dos realizadores neste campo.

Próximo e realista, Fora da Vida mostra-nos as dificuldades e as lutas diárias dos moradores dos subúrbios que partilham dos mesmos problemas do país: a crise, o desemprego, os cortes, os ordenados baixos... O espectador é um observador participativo, colocado pelos realizadores nesta realidade que, provavelmente, conhece bem. Tudo é filmado com muita cor e naturalidade, não faltando o ambiente de festa para espantar os males. 

Campo à Beira Mar - 6/10
Única animação da Competição Nacional, Campo à Beira Mar, de André Ruivo, traça o fluxo humano entre o campo e o mar com muita comédia. Uma viagem onde o campo e a praia se cruzam das formas mais caricatas.

O tom é fortemente irónico e o nonsense abunda nesta curta-metragem cheia de cor, que junta ovelhas, gaivotas, pastores, bolas de Berlim, surfistas e banhistas.

Um Dia Cabouqueiros - 6/10
Tomás Baltazar trouxe-nos Um Dia Cabouqueiros, onde lembra os que edificam os edifícios e os pousos eternos das nossas vidas, memórias de silêncio que ecoam em minas profundas. E o silêncio é mesmo um factor importante neste filme: não ouvimos vozes, apenas os barulhos das máquinas a trabalhar na pedreira.

Tudo começa com um apelo à memória, através de imagens de arquivo, depois, já nos dias de hoje, conhecemos o trabalho, os rostos e as casas daqueles que passaram ou têm passado a sua vida a trabalhar nas pedreiras. Uma curta-metragem interessante, marcada por planos longos.