quarta-feira, 1 de julho de 2020

Crítica: Faz-me Companhia (2019)

"Achas que se pode morrer num sonho?"
Clara


*7/10*

Não são muitos os títulos nacionais do género de terror - em especial, ao olharmos para os anos mais recentes - e Faz-me Companhia, de Gonçalo Almeida, chega às salas para inverter a maré. Um filme com conteúdo, que respira ideias e influências, e capaz de incomodar e fazer pensar.

Apenas duas actrizes e uma casa alugada - ela própria uma terceira personagem -, eis alguns dos elementos que destacam, desde logo, Faz-me Companhia, conferindo-lhe alguma singularidade: um foco imenso no sexo feminino.

Sílvia (Cleia Almeida) aluga uma casa para o fim-de-semana, no sul de Portugal, com a intenção de se encontrar com a sua amante secreta, Clara (Filipa Areosa). Entre mergulhos na piscina e banhos de sol, o fim-de-semana perfeito a duas começa a ser perturbado por um mal misterioso. Estranhos eventos ocorrem na casa e terão um impacto permanente na relação e na vida das duas mulheres.


Gonçalo Almeida chamou as atenções em 2017, no MOTELx, onde o seu filme Thursday Night, conquistou o Prémio para Melhor  Curta-metragem Portuguesa. Agora, na sua primeira longa, a ideia do fantasma ou assombro continua presente, juntando-lhe personagens humanas (depois dos cães da curta) e os seus medos.

Faz-me companhia parte de uma história simples e pouco previsível, para aprofundar ideias fortes em redor da Mulher e da Maternidade. Temos duas personagens femininas, uma delas está grávida (Cleia Almeida estava mesmo grávida durante as filmagens), e para além da relação amorosa secreta e das diferenças entre as duas mulheres, os objectivos de vida de cada uma delas parecem ser inconciliáveis. Ainda assim, aquele fim-de-semana poderia ser uma forma de reaproximação.

O local isolado onde as duas se encontram, uma casa, a sua piscina e jardim envolvente, onde se destaca uma árvore em especial, surge como uma terceira entidade feminina presente e capaz de influenciar a presença humana. A casa parece ter uma espécie de útero, tal como aquelas mulheres, e uma vida pulsante, que se reflecte na bomba da piscina, e no barulho que se ouve vindo da casa das máquinas. O realizador mostra-nos, por diversas vezes, as entranhas daquele lugar e esta comparação, não sendo óbvia, torna-se inevitável.


A par do ambiente sinistro - bom trabalho da direcção artística, em alguns detalhes do quarto, onde para além do cavalo de baloiço vemos que também existe um berço -, as noites são mal dormidas, atormentadas por pesadelos, sonhos lúcidos e até um estado de sonambulismo/transe - e a montagem joga bem com esta dualidade sonho/realidade. Enquanto Sílvia parece manter-se mais racional, Clara depressa começa a manifestar comportamentos estranhos. A gravidez de Sílvia (e alterações hormonais que vêm com ela), as incertezas e inseguranças mútuas, o ambiente desconhecido, tudo potencia o estado de paranóia para que as duas mulheres caminham.

As cores também parecem simbólicas, com a predominância do vermelho sangue, em especial após a chegada de Clara, e quase sempre associado à sua personagem, seja no bikini que veste, na bebida que toma, ou no sangue que lhe escorre do nariz, mas também na iluminação de algumas cenas ou de alguns locais - a casa das máquinas, claro.


As duas actrizes são capazes de conduzir o filme, com papéis muito físicos e psicologicamente exigentes. Cleia Almeida, com a experiência adicional de rodar grávida um filme de terror, revela maturidade e segurança na sua personagem; e Filipa Areosa, mais habituada à televisão, mostrou-se capaz de revelar outra faceta, mais corajosa. Faltou um pouco mais de química entre as duas actrizes, mas tudo se constrói, e sabemos que em Faz-me Companhia a relação de Sílvia e Clara está tremida.

Uma surpreendente estreia de Gonçalo Almeida nas longas-metragens, um novo fôlego para um género e bom auguro para próximos trabalhos. 

FICLO 2020 começa a 15 de Julho em Olhão, com muito cinema ao ar livre

O FICLO - Festival Internacional de Cinema e Literatura de Olhão acontece já a partir de 15 de Julho até dia 21, e a programação traz muitas sessões ao ar livre. Adoration e Valley of Souls serão os filmes de abertura e encerramento do festival, respectivamente.

O essencial da programação (anteriormente anunciada, aqui) mantém-se: a competição internacional, a retrospectiva de Albert Serra e o ciclo de cinema Italiano, país convidado desta edição.

I Do Not Care if we go down in History as Barbarians
Na Competição Internacional, encontramos longas-metragens recentes, que têm forte ligação com a literatura. Fortress, de Ludovica Andò e Emiliano Aiello, There was a Little Ship, de Marion Hänsel, The Good Girls, de Alejandra Márquez, e I Do Not Care if we go down in History as Barbarians, de Radu Jude, são alguns dos títulos que fazem parte da Selecção do FICLO 2020.

Como já havia sido anunciado, haverá uma retrospectiva integral da obra de inspiração literária do realizador Albert Serra. Fazem parte desta secção filmes como: Honor of the Knights (2006), livremente inspirado nos personagens principais de El Quijote de Miguel de Cervantes; Birdsong (2008), que se inspira na Bíblia; Story of My Death (2013), com foco em Casanova e Drácula; The Death of Louis XIV (2016) que se inspira nas Memórias de Saint Simon ou o seu último filme Liberté (2019), que vai aos relatos do Marquês de Sade e às fantasias de Apollinaire.


SELECÇÃO 2020
Adoration, Fabrice du Welz, Bélgica, fic., 2020, 98’ (Estreia nacional)
Endless Night [Longa Noite], Eloy Enciso, Espanha, fic., 2019, 93’
Fortress [Fortezza], Ludovica Andò, Emiliano Aiello, Itália, fic., 2019, 72’
(Estreia nacional)
Out Stealing Horses [Ut og stjæle hester], Hans Petter Moland, Noruega, fic.,
2019, 123’ (Estreia nacional)
The Good Girls [Las Niñas Bien], Alejandra Márquez, México, fic., 2018, 93’
(Estreia nacional)
There was a Little Ship [Il était un petit navire], Marion Hänsel, Bélgica, doc.,
2019, 65’ (Estreia nacional)
Valley of Souls [Tantas Almas], Nicolás Rincón Gille, Colombia, fic., 2019,
127’ (Estreia nacional)

RETROSPECTIVA ALBERT SERRA
Honor of the Knights [Honor de Cavalleria], Espanha, fic., 2006, 110’
Birdsong [El Cant dels Ocells], Espanha, fic., 2008, 98’
The Names of Christ [Els noms de Crist], Espanha, série de tv, 2010, 193’
The lord has Worked Wonders in Me [El Senyor ha fet en mi meravelles],
Espanha, fic., 2011, 146’
Story of My Death [Historia de la meva mort], Espanha, fic., 2013, 148’ The
Death of Louis XIV [La Mort de Louis XIV], França, fic., 2016, 115’
Roi Soleil, Espanha, fic., 2018, 61’ (Estreia nacional)
Liberté, França, fic., 2019, 133’

FILME DE ABERTURA
Adoration, Fabrice du Welz
Quarta, 15 de Julho, 21h30, República 14

FILME DE ENCERRAMENTO
Valley of Souls, Nicolás Rincón Gille
Terça, 21 de Julho, 18h00, Auditório Municipal de Olhão (AMO)

Toda a programação do FICLO e actividades paralelas podem ser consultadas em https://www.365algarve.pt/pt/agenda/8989/ficlo--festival-internacional-de-cinema-e-literatura-de-olhao.aspx.

terça-feira, 30 de junho de 2020

FEST 2020: Filmes de Quentin Dupieux e Aik Karapetian no programa

O FEST - Novos Realizadores | Novo Cinema anunciou um ciclo de cinema de género ao ar livre e destaque para a obra de Quentin Dupieux e Aik Karapetian na edição de 2020, que acontece entre os dias 2 e 9 de Agosto.

100% Camurça (Deerskin)
Quentin Dupieux (mais conhecido pela sua carreira musical enquanto Mr. Oizo) é reconhecido pela sua filmografia, repleta de comédias surreais com personagens desconectadas das normas básicas da vida em sociedade, mas que representam muitas ânsias e necessidades colectivas. Na secção do Be Kind Rewind, serão mostrados Reality, a história de um actor que procura incessantemente pelo grito mais genuíno da história do cinema, e o mais recente 100% Camurça, um filme sobre um homem de tal maneira obcecado pelo seu casaco de camurça, que ambiciona tornar-se no último homem do planeta a vestir um casaco.

Na presente edição, o FEST vai centrar atenções no cinema da Letónia, com uma nova geração de cineastas, encabeçada por Aik Karapetian, cujo estilo junta o realismo social ao cinema de género. O FEST vai exibir a sua primeira longa-metragem People Out There e aquela que é considerada a sua obra-prima Man With the Orange Jacket. Este ciclo vai mostrar ainda obras recentes de artistas como Signe Birkova, Kristiāna Šuksta e Kārlis Vītols.

Woman at War
O Cinema Drive-in desta 16.ª edição do FEST terá um extenso programa com títulos como Force Majeure, de Ruben Ostlund, Woman at War, de Benedict Erlingsoon, I’ll end up in jail, de Alexandre Dostie, por exemplo. Após a meia-noite, chega o cinema de terror com a estreia nacional de Increadably Shrinking Weekend, de Jon Mikel Caballero, Vendeta, de Coralie Fargeat, e O Cadáver de Anna Fritz, de Hèctor Hernández Vicens. Serão ainda apresentadas duas sessões de curtas, com destaque para Souls of Totality, de Richard Raymond, e A Estranha Casa da Bruma, de Guilherme Daniel.

PROGRAMAÇÃO 

DRIVE-IN & MIDNIGHT SESSIONS

Longas-metragens
Force Majeure, Ruben Östlund
The Corpse of Anna Fritz, Hèctor Hernández Vicens
The Incredible Shrinking Wknd, Jon Mikel Caballero
Woman at War, Benedikt Erlingsson

Curtas-metragens
Attachment, Kasia Babicz
A Estranha Casa na Bruma, Guilherme Daniel
Bottleneck, Måns Berthas
Goodbye Barbara, Mariel García Spooner
HEN, Janna Kemperman
Homemade, Zulma Rouge
I'll End Up in Jail, Alexandre Dostie
Idols Never Die, Jerome Yoo
Into The Night, Sergiu Zorger
Jackpot, Cristian Casado, Dennis Gleiss
Limbo, Daniel Viqueira
Mata, Fábio Rebelo
Nausea, Thomas Webber
Night Shift, David Dybeck
No Filter, Manu Montejo
Offbeat, Myrte Ouwerkerk
Ramen, Rubén Seca
Souls of Totality, Richard Raymond
Spandex - a tight story about masculinity, Michael Kunov
The Bris Of Michael Moshe Solomon, Coral Amiga
The Plunge, Simon Ryninks
The Travelers, Davi Mello
Them, Robin Lochmann

FOW
Longas-metragens
People Out There, Aik Karapetian
The Man in the Orange Jacket, Aik Karapetian

Curtas-metragens
Discreet, Žulijennuhums Amadu Kuļibaļi
Enlightenment, Kristiāna Šuksta
He Was Called Chaos Bērziņš, Signe Birkova
Still Life, Anna Ansone
The End, Kārlis Vītols

BE KIND REWIND
Reality, Quentin Dupieux

domingo, 28 de junho de 2020

Sugestão da Semana #423

Das estreias da passada Quinta-feira, a Sugestão da Semana destaca o filme brasileiro Benzinho, de Gustavo Pizzi.

BENZINHO


Ficha Técnica:
Título Original: Benzinho
Realizador: Gustavo Pizzi
Elenco: Karine Teles, Otávio Müller, Adriana Esteves, Konstantinos Sarris, Luan Teles, Vicente Demori, César Troncoso, Mateus Solano
Género:Comédia, Drama
Classificação: M/12
Duração: 95 minutos

sábado, 27 de junho de 2020

Três filmes da '59 en Conserva' em Portugal a partir de 29 de Junho

Três filmes da produtora espanhola 59 en Conserva estarão disponíveis em Portugal a partir de dia 29 de Junho.


A longa-metragem This Film is About Me, de Alexis Delgado Búrdal, será exibido no Cinema Ideal, a 29 de Junho, às 21h30, como parte da programação associada ao Festival Doclisboa.

Por outro lado, há duas curtas-metragens da 59 en Conserva disponíveis na Filmin Portugal: Vekne Hleba i Riba e Muebles Aldeguer, de Irene M. Borrego. Ambas trabalham "as fronteiras entre o documentário e a ficção, onde a realidade é um ponto de partida - não tanto de chegada - para procurar outra coisa", como explica a produtora.

Eis o trailer de This Film is About Me:

sexta-feira, 26 de junho de 2020

Comic Con Portugal 2020 adiada para 2021

A 7.ª edição da Comic Con Portugal foi adiada para 2021, anunciou hoje que a organização.


Devido às contingências actuais no mundo inteiro, bem como a proibição da realização de grande eventos até ao dia 30 de Setembro de 2020, a CITY - Conventions In The Yard, organizadora da Comic Con Portugal optou pelo adiamento da edição desde ano para 2021. O evento estava planeado para acontece de 10 a 13 de Setembro, no Passeio Marítimo de Algés, em Oeiras.

Ainda em 2020, serão desenvolvidas diversas iniciativas "em ambientes e formatos seguros de forma a trazer alegria à vida das pessoas", acrescenta a organização. A primeira delas foi o Drive In Comic Con Portugal Sessions, com em sessões de cinema nas viaturas dos participantes, e reuniu durante uma semana cerca de 1.400 pessoas, no Jardim Municipal de Oeiras.

Nos próximos meses, será lançada a loja Oficial da Comic Con Portugal, na Epopculture Store. Em parceria com o IPAM (Instituto Português de Administração e Marketing), a CITY - Conventions In The Yard "irá também realizar o primeiro estudo de mercado em Portugal, onde o objectivo é traçar o perfil do Geek português e haverá a edição dos Prémios dos Galardões da BD, que visam premiar a melhor Banda Desenhada que se faz e edita em Portugal", adianta, prometendo novidades em breve.

quinta-feira, 25 de junho de 2020

Estreias da Semana #423

Timidamente, as estreias começam a regressar, grande parte delas em reposições de cópias restauradas, mas já há algumas novidades nos cinemas. Conhece os cinco novos filmes que podes ver nas salas portuguesas - e ainda mais um destaque Netflix.

Querido Diário (cópia digital restaurada) (1993)
Caro diario
Documentário autobiográfico em tom de comédia, com o próprio Nani Moretti como protagonista. O filme, que valeu ao cineasta o prémio de Melhor Realizador em Cannes, divide-se em três partes. No primeiro episódio, Na Vespa, Moretti circula por Roma na sua vespa, insurgindo-se contra a destruição do espírito da cidade que se perdeu na vulgarização dos subúrbios, para desembocar numa peregrinação-tributo a Pasolini. Este é sucedido de As Ilhas (por onde paira a referência a Rossellini) e do mais burlesco Os Médicos.

Benzinho (2018)
Irene é casada com Klaus, com quem tem quatro filhos. Apesar das dificuldades financeiras com que lutam todos os dias, são felizes. Mas quando Fernando, o filho de 16 anos, é convidado para jogar numa equipa profissional de andebol na Alemanha, Irene sente-se desmoronar. Despreparada para enfrentar a ausência dele em apenas um mês, deixa-se levar numa espiral de sentimentos que, inevitavelmente, vai desestabilizar o equilíbrio de toda a família.

Festa de Família (2019)
Fête de famille
Andrea reúne a família na casa de campo no vale do Loire a fim de festejar o seu aniversário. Eis que de surpresa chega Claire, a sua filha mais velha, desaparecida há três anos e determinada a reclamar o que lhe é devido, uma perturbação no programa que vai provocar uma tempestade familiar.

Palombella Rossa (cópia digital restaurada) (1989)
Palombella rossa
Michele é líder do Partido Comunista Italiano e jogador profissional de pólo aquático. Após um estúpido acidente de automóvel, perde a memória e tenta redescobrir os meandros da sua vida novamente através dos olhos ingénuos da criança ansiosa que costumava ser - através de uma viagem psicanalítica improvisada, simbolizada pelas amizades e adversidades de um jogo de pólo aquático.

Ramen Shop - Negócio de Família (2018)
Ramen Teh / Ramen Shop
Masato é um jovem chef de cozinha especializado em ramen, na cidade de Takasaki, no Japão. Após a morte súbita do pai, com quem tinha uma relação distante, Masato encontra uma mala repleta de memórias e um livro de anotações com fotos e ideias soltas, deixada pela sua mãe, natural de Singapura, que morreu quando ele tinha apenas dez anos. De forma impulsiva, ruma à terra natal da mãe na esperança de reconstruir a história da sua vida e a dos seus pais.

Netflix Portugal
Estreia a 26 de Junho:

Festival Eurovisão da Canção: A História dos Fire Saga (2020)
Eurovision Song Contest: The Story of Fire Saga
Lars e Sigrit, dois aspirantes a músicos, recebem a oportunidade de representar o seu país na maior competição musical do mundo. Finalmente, têm a possibilidade de provar que os melhores sonhos são aqueles pelos quais estamos dispostos a lutar.

Passos no Escuro regressa a 27 de Junho com John Carpenter

The Thing - Veio do Outro Mundo, de John Carpenter, marca o regresso do Passos no Escuro, este Sábado, dia 27 de Junho, às 19h00, na reabertura do Cinema Passos Manuel, no Porto.


Braindead, de Peter Jackson, foi último filme exibido nas sessões Passos no Escuro, antes da interrupção da programação devido à pandemia. Agora, o clássico de Carpenter abre a nova "temporada", e aborda os temas da paranóia e da desconfiança.

Este remake do clássico de Christian Nyby e Howard Hawks "é uma viagem pela paranóia e mostra de maneira visceral como um homem se pode transformar aos olhos de outro quando a desconfiança entra em jogo. Uma equipa de 12 exploradores em missão na Antárctida descobre um ser extraterrestre enterrado na neve. Uma vez descongelado, provoca a devastação, cria o pânico à sua volta e transforma-se num deles".

Para esta reabertura, e de acordo com as regras da DGS, "a lotação da sala de cinema vai estar limitada a 91 lugares, cerca de metade da ocupação total, e todos os espectadores estarão separados por um lugar, mesmo sendo co-habitantes. Por essa razão, a venda de bilhetes também será alargada para todo o horário de funcionamento do espaço e não só para o dia da exibição. Haverá pontos de higienização bem identificados e o uso de máscara será necessário durante toda a sessão. Não são as condições de conforto ideais, mas é a única maneira de garantir que possam gritar e rir em plenos pulmões sem medo de outros bichos que não os do ecrã", explica a organização.

As próximas sessões ainda não estão calendarizadas mas podes acompanhar todas as novidades nas redes sociais do Passos no Escuro.