segunda-feira, 18 de junho de 2018

Sugestão da Semana #329

Das estreias da passada Quinta-feira, a Sugestão da Semana destaca Hereditário, de Ari Aster, com Toni Collette no papel principal.

HEREDITÁRIO


Ficha Técnica:
Título Original: Hereditary
Realizador: Ari Aster
Actores: Toni Collette, Milly Shapiro, Gabriel Byrne
Género: Drama, Mistério, Terror
Classificação: M/18
Duração: 127 minutos

sábado, 16 de junho de 2018

Animais Cinéfilos #3

Mais um Animais Cinéfilos no blog. Hoje destaco uma personagem simpática e que proporciona momentos bastante divertidos e... sangrentos (!) na comédia negra Noite de Jogo.


Ele é Bastian, o cão (que na realidade é a cadela Olivia) do sinistro vizinho polícia do casal protagonista, Max e Annie, interpretados por Jason Bateman e Rachel McAdams.


Continua a decorrer a campanha de crowdfunding para ajudar uma associação que eu apoio, a Focinhos & Bigodes - Associação Zoófila para Proteção de Animais Abandonados e Ambiente, a fazer obras nas suas instalações. Aqui fica novamente o apelo para que, todos os que puderem, os ajudem: https://ppl.com.pt/prj/focinhos-e-bigodes.

quinta-feira, 14 de junho de 2018

Estreias da Semana #329

Esta Quinta-feira, chegaram aos cinemas portugueses oito novos filmes. Nem o início do Mundial fez chegar menos estreias às salas. Há romance e drama esta semana, mas não só. E muita atenção ao filme de terror, Hereditário.

A Cada Dia (2018)
Every Day
Baseado no livro homónimo de David Levithan, A Cada Dia conta a história de Rhiannon, uma rapariga de 16 anos que se apaixona por uma misteriosa alma chamada "A", que cada dia ocupa um corpo diferente. Sentido uma ligação ímpar, Rhiannon e "A" esforçam-se por se encontrar todos os dias, desconhecendo o quê, ou quem o novo dia trará. Quanto mais se apaixonam, mais a realidade de amar alguém diferente a cada 24 horas começa a pesar, deixando Rhiannon e "A" perante a decisão mais difícil que alguma vez tiveram de tomar.

À Deriva (2018)
Adrift
Tami Oldham (Shailene Woodley) e Richard Sharp (Sam Claflin), dois ávidos velejadores, aventuram-se numa viagem pelo oceano fora, sem se aperceberem de que se estão a dirigir para um dos maiores furacões alguma vez registados. Após a tempestade, Tami encontra Richard gravemente ferido e o barco destruído. Sem esperança num resgate, Tami terá de encontrar a força e determinação para se salvar a si e ao único homem que alguma vez amou. 

A Eterna Desculpa (2016)
Nagai iiwake
Sachio, um escritor popular, perdeu a esposa há muitos anos num acidente de autocarro, juntamente com a sua melhor amiga. Estava com outra mulher quando soube da notícia, e, considerando que há muito o amor no seu casamento tinha terminado, teve de fingir a dor que esperavam dele. Conhece Yoichi, o marido verdadeiramente devastado da amiga da esposa, que ficou com dois filhos pequenos. Apegado a esta nova família encontrada, começa a sentir a perda e o vazio deixado pela esposa. Nesta jornada interior para a compreensão, encontrará, novamente, o seu amor por ela.

A Extraordinária Viagem do Faquir (2018)
The Extraordinary Journey of the Fakir
Aja (Dhanush), um faquir das ruas de Rajasthan, Índia, resolve viajar até França após a morte da mãe, para tentar descobrir o pai que nunca conheceu. No entanto, desde a chegada a Paris, nada corre como planeado. Um acidente com um taxista excêntrico deixa-o retido fora de Paris numa loja IKEA, onde se apaixona por Marie, uma encantadora franco-americana. Mas as suas expectativas amorosas sofrem um revés quando fica  preso num guarda-roupa e é enviado pela Europa fora. Enquanto foge da polícia fronteiriça e de bandidos, Aja acaba por conhecer um elenco colorido de personagens. Poderá a sua rica imaginação e uma mala de truques de magia levá-lo de volta a Paris para junto de Marie e ainda descobrir a identidade do pai?

Esplendor (2017)
Hikari 
Misako é uma apaixonante escritora de versões de filmes para cegos. Numa projecção conhece Nakamori, um fotógrafo mais velho que está lentamente a perder a visão. Misako descobre as fotografias de Nakamori, que estranhamente a fazem regressar ao passado. Juntos, vão aprender a ver um mundo esplendoroso que era invisível aos seus olhos.

Eva (2018)
O jovem e prometedor dramaturgo Bertrand (Gaspard Ulliel) encontra a misteriosa e sedutora Eva (Isabelle Huppert), quando se abriga num chalé durante uma violenta tempestade de neve.

Hereditário (2018)
Hereditary
Após a morte de Ellen, a família da sua filha (Toni Collette) começa a desvendar enigmáticos e aterradores segredos sobre os seus antepassados. E quanto mais descobrem, mais se vêem emaranhados no sinistro destino que herdaram.

O Vale Encantado (2017)
Drôles de petites bêtes
Quando a Rainha Margarida (Xana Toc Toc) se preparara para festejar o seu aniversário, a aldeia dos pequenos insectos é surpreendida com a chegada de Apolo, um grilo saltimbanco com um grande coração. Enredado num plano de Vanda, a vespa prima da rainha Margarida que quer roubar o trono, Apolo é acusado de ter raptado a rainha. Na verdade, Margarida foi presa por Hélio (João Catarré) e o exército das Pestes, inimigos do reino e cúmplices de Vanda. Apolo, com a ajuda dos seus novos amigos, embarca numa perigosa missão.

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Sugestão da Semana #328

Das estreias da passada Quinta-feira, a Sugestão da Semana destaca As Guardiãs, de Xavier Beauvois.

AS GUARDIÃS


Ficha Técnica:
Título Original: Les gardiennes
Realizador: Xavier Beauvois
Actores: Nathalie Baye, Laura Smet, Olivier Rabourdin, Cyril Descours, Iris Bry, Ophélie-Marion Debiais, Yann Bean
Género: Drama
Classificação: M/12
Duração: 138 minutos

domingo, 10 de junho de 2018

Momentos para Recordar #50

Dia de Portugal é dia de Momentos para Recordar em português. O filme escolhido data de 1973 e foi censurado na sua época. A crítica do Hoje Vi(vi) o Filme, escrita em 2013, pode ser lida aqui.

Recordemos, hoje, A Promessa, de António de Macedo.

A Promessa, António de Macedo (1973)

sexta-feira, 8 de junho de 2018

Estreias da Semana #328

Foram sete os filmes que chegaram aos cinemas esta Quinta-feira. Mundo Jurássico: Reino Caído e Tully são duas das estreias.

A Lua de Júpiter (2017)
Jupiter Holdja
Um jovem imigrante sírio é atingido a tiro enquanto cruza ilegalmente a fronteira entre a Sérvia e a Hungria. Aterrorizado e em choque, descobre que, de repente e de forma misteriosa, consegue levitar à vontade.

As Guardiãs (2017)
Les Gardiennes
1915. Na quinta do Paridier, as mulheres tomam as rédeas quando os homens partem para a frente de guerra. Asseguram todo o tipo de trabalho, do mais pesado ao doméstico, do nascer do sol até ao cair da noite. Um ritmo apenas interrompido com o regresso temporário de alguns homens em licença. Hortense, a proprietária, contrata uma rapariga da assistência pública para os ajudar. Francine acredita ter encontrado ali uma família, mas por circunstâncias que lhe são alheias, rapidamente descobrirá o quão dispensável é naquela equação.

Mundo Jurássico: Reino Caído (2018)
Jurassic World: Fallen Kingdom
Claire Dearing (Bryce Dallas Howard) e Owen Grady (Chris Pratt) reencontram-se após o desastre de Mundo Jurássico que quase lhes custou as vidas e deixou um rasto de destruição. Em causa está uma operação de resgate dos dinossauros que ainda se encontram na ilha prestes a explodir. Owen pretende também reencontrar Blue, a raptor que desapareceu sem deixar rasto. Quanto a Claire, que passou a respeitar estas criaturas, tornou-as na missão da sua vida. Ao chegarem à instável ilha, mesmo quando a lava do vulcão começa a aparecer, a expedição descobre uma conspiração que pode devolver todo o planeta a um estado nunca visto desde tempos pré-históricos.

O Segredo dos Kennedy (2018)
Chappaquiddick
O Segredo dos Kenndy relata os acontecimentos em redor dos sete dias mais difíceis na carreira do Senador Ted Kennedy (Jason Clarke). Tudo começa na véspera da Chegada à Lua, a 18 de Julho de 1969, numa festa para celebrar a reunião dos vários colaboradores da campanha de Bobby Kennedy, numa casa na Ilha de Chappaquiddick. Com o legado presidencial do irmão John a pesar-lhe sobre os ombros, visto que a sua promessa de levar o homem à lua está prestes a concretizar-se, Ted cedo abandona a festa, oferecendo-se para dar uma fatídica boleia a Mary Jo Kopechne (Kate Mara), uma jovem e promissora estratega política. Ao chegar a uma ponte sinuosa, o carro despista-se e cai para as águas traiçoeiras. Kennedy escapa, mas a jovem fica presa na viatura. Ted Kennedy demora nove horas a comunicar o acidente às autoridades. O Senador defronta-se com a integridade do seu código moral e a necessidade de proteger o legado da família, enquanto, ao mesmo tempo, tenta manter vivas as suas ambições políticas.

Presa Branca (2018)
Croc-Blanc
Depois de ser separado da mãe, Presa Branca passa pelas mãos de vários donos, experimenta e aprende lições essenciais de vida ao longo do caminho. Levado por Castor Cinzento, líder da tribo Gwich'in de Nativos Americanos no Yukon, Presa Branca é tratado com respeito e reverência, aprende a ser líder e a amar a humanidade pelos seus melhores exemplos. Tudo muda quando passa para as mãos do malvado Beauty Smith, que o atira para o mundo cruel das lutas de cães.

Tully (2018)
Marlo (Charlize Theron), mãe de três crianças, incluindo um recém-nascido, recebe a ajuda de uma ama, por iniciativa do irmão. Hesitante de início, Marlo acaba por estabelecer uma ligação com a pensativa, surpreendente e às vezes desafiadora ama Tully.

Uma Mulher Doce (2017)
Krotkaya
Uma mulher vive sozinha numa aldeia na Rússia. Certo dia, é-lhe devolvida uma encomenda que enviara para o marido na prisão. Surpreendida e confusa, não tem outra escolha se não dirigir-se à cadeia situada numa região remota do país, de modo a obter uma explicação. É assim que tem início a batalha contra uma fortaleza impenetrável, a prisão onde as forças sociais do medo estão em constante movimento. Enfrentando a violência e a humilhação, embarca, contra tudo e contra todos, numa busca cega por justiça.

terça-feira, 5 de junho de 2018

FEST 2018 de 18 a 25 de Junho em Espinho

A 14.ª edição do FEST ̶̶̶ Festival Novos Realizadores | Novo Cinema acontece entre os dias 18 e 25 de Junho, em Espinho, com mais de 190 filmes para ver.


FEST regressa com a competição internacional de longas e curtas-metragens (Lince de Ouro e Lince de Prata), a secção infanto-juvenil para as famílias, FESTinha, a competição nacional de curtas-metragens (Grande Prémio Nacional) e o prémio para obras de realizadores a saírem das faculdades (NEXXT). Nas secções não competitivas, Flavours of The World apresenta 19 filmes com foco no cinema japonês, austríaco e sueco. Por sua vez, Be Kind Rewind leva-nos a um dos mais isolados países do mundo, a Coreia do Norte.

Winter Brothers, de Hlynur Palmason

Nas longas-metragens em competição este ano encontram-se Winter Brothers, primeira longa-metragem do islandês Hlynur Palmason, Blue My Mind, de Lisa Brühlmann, Mobile Homes, de Vladimir Fontenay, Photon, de Norman Leto, I'm not a Witch, primeira longa-metragem de Rungano Nyoni, Killing Jesus, de Laura Morna, Blockage, de Mohsen GharaeiLemonade, de Ioana Uricaru, Sand and Blood, de Matthias Krepp e Angelika Spangel, The Celebration – Das Impreza, de Alexandra Wesolowski, e Lupo, de Pedro Lino.

O FEST "procura criar um espaço onde cineastas emergentes possam mostrar e promover o seu trabalho, assim como desenvolver os seus conhecimentos e partilhar oportunidades, criando ao mesmo tempo novos públicos para o cinema independente". Em paralelo com o festival decorrem dois eventos: o FEST - Training Ground - secção educativa do evento com mais de 30 actividades, como debates e masterclasses - e o FEST - Pitching Forum, onde os realizadores podem apresentar os seus projectos a um painel de produtores, agentes de talentos e financiadores. Acontece ainda o FEST ̶̶̶ Industry Meetings que consiste em reuniões personalizadas com investidores, produtores, realizadores e outros cineastas, para receber conselhos sobre como melhor desenvolver projectos ou carreiras.

Asghar Farhadi

O cineasta iraniano Asghar Farhadi vai marcar presença em Espinho para orientar uma masterclass no Training Ground. Também David Seidler (argumentista de The King's Speech; Onassis: The Richest Man in the World), Gabriella Cristiani (montadora de The Last Emperor; Last Tango in Paris), Stephen Warbeck (compositor de Shakespeare in Love; Billy Elliot), Stephan Elliott (realizador de The Adventures of Priscilla, Queen of the Desert; Rio, I Love You), Roman Coppola (produtor, realizador e argumentista, Moonrise Kingdom; The Darjeeling Limited), Francesca Jaynes (coreógrafa A.I. Artificial Intelligence; Gravity) e Gareth Wiley (produtor, Match Point; Vicky Cristina Barcelona) marcam presença nesta edição.

O FEST acontece no Centro Multimeios, Casino de Espinho, Biblioteca Municipal de Espinho e Praia de Espinho. Mais informações sobre o festival em http://site.fest.pt/pt/.

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Crítica: Um Lugar Silencioso / A Quiet Place (2018)

"Your father will protect you. Your father will always protect you." 
Evelyn

*9/10*

Silêncio. A tensão aumenta a cada pequeno barulho, a cada passo em falso e até na plateia ninguém se atreve a mexer muito. De olhos (e ouvidos) fixos no ecrã, Um Lugar Silencioso traz o silêncio de novo às salas de cinema. E que bom que é!

John Krasinski faz-nos suster a respiração e recear pela "sua" família. O actor protagoniza e realiza este filme de terror (onde faz de marido da sua esposa na realidade, Emily Blunt) que vai, seguramente, ficar na História pelas melhores razões.

Um Lugar Silencioso passa-se no futuro. Uma família vive em silêncio numa quinta, aterrorizada por misteriosas presenças malignas que caçam através do som.

Quase não há datas, apenas se contam os dias que passam, no meio do campo, com ocasionais e perigosas deslocações à cidade mais próxima para se abastecerem com o pouco que resta nos super-mercados, desertos e desolados. A partir daqui, explora-se o medo e a forma como aquela família escolhe lidar com o que a ameaça.


E num local onde o som é símbolo de morte certa, é curioso acompanhar a filha mais velha do casal protagonista, Regan Abbott, que guarda em si uma grande vantagem, mas também outra grande desvantagem em relação aos restantes: é surda-muda. Não fala, é certo, mas também não ouve. Depressa percebemos também que a mãe, Evelyn, está grávida - e vamos prever todo o inevitável som que vai acontecer futuramente e este sim, é impossível de conter.

A personagem de Krasinski é a do já conhecido pai super-protector da família. O filho Marcus é no entanto, muito receoso - com toda a razão - e mostra-se pouco capaz de seguir os corajosos passos do pai, que quer que este seja o próximo homem da família. Por outro lado, as duas mulheres, mãe e filha, ambas em estados que a tornam mais fracas que os restantes, vão-se revelando muito mais fortes do que alguma vez poderíamos supor.


Ao contrário da maioria do cinema actual, Um Lugar Silencioso treina os ouvidos para o silêncio, para captar todos os pormenores que são fundamentais, e para encontrar na imagem todos os significados que o som não diz. É a língua gestual que domina o ecrã e as palavras, quando surgem, são sussurros.

É aqui que entra todo o extraordinário trabalho técnico do filme. Filmado em 35 mm, Um Lugar Silencioso tira o melhor partido possível da escuridão, com uma direcção de fotografia liderada por uma mulher, Charlotte Bruus Christensen, cuja sensibilidade se encontra em cada plano. As cores avermelhadas abundam, e activam os maiores receios de personagens e plateia, a par da banda sonora incómoda e impressionante de Marco Beltrami, que parece absorver o medo que o silêncio absoluto traz consigo e gritá-lo em música. O trabalho de som merece os maiores elogios, já que este é o elemento fundamental. Ouvimos todos os passos, as respirações, as peças de um jogo de tabuleiro... Se é difícil trabalhar o som num filme de acção, então imaginemos num filme onde o silêncio é o elemento vital?

O menos original são mesmo os seres malignos que perseguem o som. Têm semelhanças a outros seres extra-terrestres que já vimos no cinema, e provavelmente ganhariam mais se se revelassem menos.


Nas interpretações, toda a família protagonista consegue criar laços com a plateia, mas é Emily Blunt Millicent Simmonds (que, tal como a sua personagem, é surda na vida real) que ficam na memória. Duas mulheres de garra, forçadas a adaptarem as suas frágeis condições ao mais aterrador dos cenários.

Um Lugar Silencioso é um filme inspirador, que faz regressar o silencio ao Cinema, e nos proporciona uma história de tensão, terror e coragem. John Krasinski mostra uma total entrega ao projecto e o resultado é uma história original e tenebrosa. O suspense vence o medo, mas os dois andaram de mãos dadas.