Hoje vi(vi) um filme: Doclisboa'12: Tropicália

sábado, 27 de outubro de 2012

Doclisboa'12: Tropicália

*7.5/10*
Tropicália traz para a secção Heart Beat ritmos bem brasileiros e foi no Domingo passado recebido com a sala Manoel de Oliveira, do Cinema São Jorge, quase cheia. Este Sábado à noite tem direito a mais uma sessão. Realizado por Marcelo Machado, este é um dos documentários que têm sido mais bem recebidos no Doclisboa'12.

Tropicália traz um olhar contemporâneo sobre o importante movimento cultural que explodiu no Brasil no final dos anos 1960 apelidado de Tropicalismo. Junta material de arquivo precioso, recuperado propositadamente para esta produção, e testemunhos dos protagonistas do movimento, de onde se destacam os nomes de Caetano Veloso e Gilberto Gil.

Tudo começa em bom português de Portugal. É em Lisboa, no programa de televisão Zip Zip, com Raul Solnado e Carlos Cruz ao comando, que Caetano e Gil actuam, a 4 de Agosto de 1969, e falam sobre o Tropicalismo. É este o ponto de partida para se recuar alguns anos até à origem do movimento, no Brasil, e conhecer a sucessão de acontecimentos que tiveram lugar até 1969. 

Numa época politicamente conturbada no Brasil, o colectivo da Tropicália vem romper e agitar os ânimos, culminando mesmo na prisão dos seus grandes impulsionadores Caetano e Gil, que se vêem obrigados, posteriormente, a sair do país. E são os tempos anteriores e no exílio em Londres que nos são aqui apresentados, todo o crescimento do movimento tropicalista, que se acelera com o início dos festivais de música popular na televisão, e o sucesso que se verifica, mesmo após os músicos saírem do país.


A relação entre músicos e televisão é bastante explorada, onde Roberto Carlos nos surge como exemplo. E é aí que começam os tão importantes festivais. É importante que os cantores sejam vistos e conhecidos, e aí está esta relação de dependência que se estabelece entre as duas partes. A conjuntura política da época é outro ponto forte do documentário, que nos mostra como a mensagem "sejam livres", que o movimento passava, era subversiva para a época, verificando-se uma espécie de dicotomia "Tropicalismo/Ditadura". Caetano e Gil incentivavam a pensar, mas para a ditadura da época, pensar era crime.

Em Tropicália, e a par dos dois grandes protagonistas, surgem-nos também nomes como Maria Bethânia ou Nara Leão, que não se incluíam no movimento mas estavam-lhe intimamente ligadas, ou Os Mutantes, um dos maiores sucessos da época, Rita LeeTom Zé, Gal Costa, e tantos outros nomes que nos testemunham uma época.


Visualmente o documentário, maioritariamente composto por imagens de arquivo, a preto e branco, recebe o colorido que o próprio movimento já traz consigo, através de manchas de várias cores que surgem sobre a imagem, conferindo-lhes a vivacidade e arrojo que caracterizaram o Tropicalismo.

Tropicália é uma viagem a um país, a uma época e a um movimento, mais do que musical, cultural e artístico. Caetano Veloso e Gilberto Gil são os protagonistas que nos guiam, numa jornada de cor e nostalgia, ao tropicalismo.

2 comentários:

Sam disse...

Só pelos compositores que citas, parece ser obrigatório para apreciadores da música brasileira daquele período.

E, ainda por cima, é documentário composto por imagens de arquivo! :)

Cumps cinéfilos :*

Inês Moreira Santos disse...

Farás as tuas delícias, Sam. ;P

Cumprimentos cinéfilos :*